Abbas ainda é a liderança palestina que pode derrotar os extremismos

25/06/2014 | Conflito.

Conforme  já discutido por alguns colegas do Conexão, poderíamos desenvolver diversas teses sobre de quem seria a culpa pelo sequestro dos três jovens israelenses quando pegavam carona em um cruzamento na região do bloco de assentamentos chamado Gush Etzion. Cabe notar que o sequestro ocorreu 15km ao sul de Jerusalém, dentro da área C, ou seja, controle administrativo e militar israelenses.

Contudo, quase todas as teses poderiam ser desfeitas se não vivêssemos com a realidade da ocupação. Podemos dizer que sem a ocupação o sequestro nao teria acontecido? Não, não poderíamos.  O governo israelense acusou imediatamente o Hamas pelo acontecido sem, até hoje, apresentar provas do envolvimento do grupo terrorista. A suspeita não se confirma  e apesar da prisão de mais de 200 membros dessa organização, não ha nenhum sinal de onde os meninos se encontram.

Assim, podemos dizer que a culpa do sequestro é do extremismo. O extremismo palestino de grupos fundamentalistas que acham que a forma mais eficaz de acabar com a ocupação é através da violência. Mas também do extremismo israelense, que quer manter a ocupação e que se recusa a negociar com as lideranças palestinas, que vêem a diplomacia como a via correta de se acabar com o conflito.

Mas para que serve apontar culpado? Águas passadas não movem moinho.

A história que mais se repete em mais de 100 anos de conflito são as inúmeras tentativas de culpar sempre um lado e achar um bandido e um mocinho para os eventos. Não podemos mais repetir esses erros. Chega. Basta.

Após o sequestro, Abu Mazen faz um discurso em árabe que nunca havia sido feito anteriormente por um líder palestino. Clama pela libertação dos meninos e diz que eles são seres humanos, como todos nós. Qual a resposta do governo de Israel a esse discurso? Nenhuma. Bibi disse que após o final da operação irá avaliar a atuação da Autoridade Palestina e então ver se é possível voltar às negociações. Bibi mantém a sua postura arrogante de não negociar com quem está disposto a conversar e não utilizar armas.

Derrotar o extremismo e o fundamentalismo é tarefa de todos que querem viver em um mundo melhor, com menos violência. Derrotar o extremismo é fortalecer quem defende direitos humanos, quem entende que a violência não vai levar a lugar nenhum.  

Porém a derrota do extremismo vem acompanhada e anda lado a lado com o fim da ocupação. A política de ocupação, extremismo e intolerância, caminham juntas, são parasitas, ou seja, se alimentam uma da outra.

A única forma de se aventar o fim de agressões do lado palestino é acabar com a agressão da ocupação israelense e possibilitar que o povo palestino busque a sua liberdade através da emancipação nacional, como os judeus vêm buscando desde 1948.

Comentários    ( 43 )

43 Responses to “Abbas ainda é a liderança palestina que pode derrotar os extremismos”

  • Mario S Nusbaum

    30/06/2014 at 16:45

    “!Contudo pude observar que pelo menos desde 2010 (não fiz uma análise mais acurada dos anos anteriores) há uma tendência nas duas sociedades a apoiarem a solução dos dois Estado. As taxas vão variando de acordo com a conjuntura, mas de uma forma geral o apoio estava mantido dos dois lados.”
    Não duvido disso Marcos, o problema é que a opinião desses palestinos vale tanto quanto a da população norte-coreana.
    Você sabe bem melhor do que eu o que acontece com um palestino que se manifesta contra a política oficial deles.

  • Mario S Nusbaum

    30/06/2014 at 16:48

    Marcos, não lhe parece estranho, surreal e muito preocupante que a ÚNICA restrição à liberdade religiosa em Israel é a feita contra judeus (rezar em Temple Mount)?

Você é humano? *