A combinação israelense de eficiência e fuzuê

25/11/2013 | Sociedade

por Miriam Sanger

“Paradoxo, ó Israel, este é teu santo sobrenome”. Esse lamento deveria, mas não foi, ter sido incluído no Tehilim, livro de emocionantes salmos escrito três mil anos atrás pelo terceiro rei do povo de Israel, David (embora diga-se que também outros derramaram seus versos por ali). Ele serviria, sem dúvida, como um belo slogan a ser estampado em pôsteres afixados nas repartições públicas israelenses.

miriam1Como em todo órgão público que se preze, nos daqui há as maquininhas de senha manual, às vezes de várias cores, indicando diferentes tipo de serviço prestados ali. Existe o sensor eletrônico, muitas vezes com voz, para que os desavisados não percam a chamada. Mas ninguém senta para esperar. As cadeiras, isso também sempre há, estão vazias, enquanto todo mundo perambula pelo saguão, falante e ligeiro. Procuram, isso já constatei, a possibilidade de darem uma “perguntadinha básica” ao atendente sem ter que esperar sua vez. Todos sabem que os israelenses que estão do outro lado do guichê fazendo seu serviço não vão, de jeito e maneira, dar canja. Mesmo assim, insistem. Depois da óbvia negativa, sem nenhuma mágoa voltam a entabular conversas animadas entre si, não ouvem a chamada da senha, quando percebem vão discutir com o atendente, o circo é armado. É um padrão por aqui.

Desavisados feito eu, que lentamente vão desbravando as repartições públicas nacionais, ficam de orelha e cabelo em pé. Afinal, estou fazendo errado em ficar sentada esperando a minha vez? Ainda não sei a resposta.

Minha primeira experiência em uma repartição pública local foi na madrugada em que cheguei a Israel. Eu e outros “olim chadashim” – os novos imigrantes dessa Terra Santa – fomos desastradamente resgatados, às duas da manhã, por uma funcionária sonolenta e visivelmente mal-humorada. Dois atendentes rapidamente nos ajudaram a preencher formulários e, uma hora depois, saímos de lá com nossas carteiras de identidade nas mãos. Depois disso, enfrentei a Secretaria da Educação, com outras mães ansiosas que não entendiam uma palavra de hebraico e precisavam descobrir como matricular seus filhos nas escolas (que, em sua arrasadora maioria, são públicas). O atendimento foi muito bom, mas antes tivemos que descobrir em que sala estava a secretária responsável pelo assunto – ainda não entendi como pode ser que os funcionários não tenham uma mesa fixa ali.

Todo mundo sabe onde você mora, porque há um papelzinho branco que deve ficar sempre junto de sua carteira de identidade. Você precisa providenciar esse negócio com urgência – sem ele, você praticamente não existe. Para isso você vai até o Ministério do Interior, uma atendente rapidamente o imprime e entrega, mediante a apresentação de seu contrato de locação ou comprovação de propriedade. Fui até lá preparada para enfrentar horas de fila e saí, sorridente, em menos de cinco minutos, mesmo que um tanto magoada com a grossura da jovem senhora que me atendeu. Meses depois, quando fui no mesmo lugar providenciar meu passaporte, a história foi outra: uma fila descomunal, duas horas de espera, mas, de novo, cinco minutos sentada na frente da atendente. Uma semana depois, estava com o passaporte na mão.

Para transferir minha carteira de motorista, tive que ir até um shopping center decadente no subúrbio de Netanya. Não teria encontrado se não tivesse ido para lá de carona com uma amiga que já manjava se deslocar por aqui. Havia uma fila de umas 50 pessoas e passei duas eternas horas sentada ali, esperando. Mas então, em cinco minutos, entabulei uma conversa sem pé nem cabeça com uma atendente que, com um ar bastante sinistro, carimbou um monte de folhas e me mandou procurar uma autoescola.

miriam2E ultimamente, chegada a hora de entender como funcionam taxas e impostos daqueles que suam para ganhar seu dinheirinho, foi a vez de conversar com um contador. Tamanha a burocracia, as exceções, as regras e os que tais que o pobre nem se deu ao trabalho de explicar. Apenas me recomendou voltar a falar com ele quando tivesse uma renda razoável entrando na minha pobre conta bancária. Antes disso, me mandou ir ao Mas Hachnassa (Autoridade de Imposto de Renda), outro órgão público, para que eu pudesse emitir um documento que me possibilitará receber dinheiro de pequenos serviços que presto por daqui. Daí, de novo, fui com a expectativa de trombar com uma fila monstruosa, uma atendente com perguntas incompreensíveis e aquele bando de gente vagando pelo saguão. Não encontrei nada disso, com exceção, óbvia, dos perambulantes usuais. Na minha hora, sentei-me frente uma linda e gripada etíope, que em cinco minutos imprimiu os documentos que precisava e me deu a feliz notícia que tenho ainda um bom limite pela frente para faturar até ter que começar a pagar impostos feito gente grande.

E esse é um dos megaparadoxos daqui: tanta bagunça e tanta eficiência ao mesmo tempo. Com todas as informações da sua pessoa na tela do computador, a coisa fica muito ágil, e a falta de papas na língua do israelense não deixa que o atendimento se prolongue. Amo isso, amo, amo. Ah, e quanto ao papo dos perambulantes com pulga no traseiro, descoberta importante, agora que entendo o que eles falam: não tem nada a ver com o que estavam fazendo ali. Temperatura, Irã, o trânsito e o preço do supermercado estavam entre os principais temas, assuntos tão envolventes e inadiáveis que impreterivelmente os fazem perder a chamada da senha. O que não parece ser para eles de todo mal – afinal, conquistam assim, e agora sem paradoxo algum, uma oportunidade que para um israelense é imperdível: a de, novamente, armar o maior fuzuê.

Miriam Sanger, nascida em Recife mas de sangue paulistano, formou-se em Jornalismo em 1991 pela Faculdade Cásper Líbero Chegou a Israel em julho de 2012 e vive com a filha pré-adolescente em Raanana, no centro do país. Temas ligados a cultura, judaísmo, sociedade e comportamento a interessam especialmente. Por isso, mas não só por isso, não tem dúvidas de que está no lugar certo, na hora certa. (SP).
Miriam Sanger, nascida em Recife mas de sangue paulistano, formou-se em Jornalismo em 1991 pela Faculdade Cásper Líbero Chegou a Israel em julho de 2012 e vive com a filha pré-adolescente em Raanana, no centro do país. Temas ligados a cultura, judaísmo, sociedade e comportamento a interessam especialmente. Por isso, mas não só por isso, não tem dúvidas de que está no lugar certo, na hora certa. (SP).

 

Fotos: arquivo pessoal.

 

Comentários    ( 5 )

5 comentários para “A combinação israelense de eficiência e fuzuê”

  • Mauricio Peres Pencak

    25/11/2013 at 23:17

    Adorei o artigo! Senti-me como presente nos eventos. Nas vezes que tive em ERETZ tive a mesma percepção da autora sobre o ETHOS do israelense. Adoram uma discussão – via de regra, num tom mais alto a que estamos acostumados no Brasil- e a percepção dessa eficiência. Gostei muito também do respeito aos pedestres. Penso um dia -quem sabe- também fazer ALIÁ.
    Uma curiosidade, se não for indiscreta a pergunta: a partir de que faixa de vencimentos o Imposto de Renda começa a cobrar e quais são as alíquotas?
    KOL HAKAVOD!

    • Claudio Daylac

      26/11/2013 at 00:41

      Maurício,

      Em Israel não existe o status de isento na tabela do Imposto de Renda. Todos pagamos, de acordo com uma tabela progressiva com sete faixas de taxação.

      Quem ganha até 63,360 shkalim anuais, paga 10% de Imposto de Renda – esta é a faixa mais baixa da tabela que você pode conferir aqui.

      Um abraço,

  • otavio zalewski

    27/11/2013 at 21:36

    Passei por isso na minha última estada em Israel, quando precisei tirar um papel para sair do país, pois tinha entrado com o passaporte brasileiro. Discussão e conversa, mas assunto resolvido rapidamente.

  • Raul Gottlieb

    28/11/2013 at 19:49

    Cara Miriam,

    Parabéns pelo teu texto, bem perspicaz e delicado. Contudo é necessário observar que o Rei David é considerado o segundo Rei de Israel. Logo após a morte do Rei Saul um filho seu chamado Eshbaal ou Ish-Boshet tentou assumir a coroa, mas foi apoiado apenas por pequena parte do exército e não chegou a ser ungido por Samuel – o profeta de plantão da época.

    Ele foi militarmente derrotado pelo exército liderado por David que foi acalmado Rei sobre Israel, com aceitação de todos. Não chegou a reinar, tentou assumir o trono e capotou em questão de dias.

    Os nomes que o Tanach reservou para esta figura são bem sintomáticos da aversão que seus contemporâneos lhe devotavam. Eshbaal quer dizer homem-de-Baal, o deus supremo do panteão Cananita. E Ish-Boshet quer dizer homem-vergonha. Ou seja, ele entrou para a história com o nada honroso nome de “O Idólatra Vergonhoso”. Não foi um rei em Israel, foi uma figura desprezada pela história. Os três primeiros e mais importantes reis de Israel foram Saul, David e Salomão, na ordem.

    Abraço, Raul

  • Ricardo Panessa

    04/12/2013 at 14:10

    Como sempre, um texto leve, informativo e gostoso de ler. Parabéns Miriam Sanger Lane Demais

Você é humano? *