Curtinhas – Fevereiro de 2014

02/02/2014 | Conflito.

Futebol em Jerusalém – 80 anos atrás. Uma questão religiosa e política.

O bairro de Ramat Shlomo, norte de Jerusalém, é mais conhecido em nossa geração pela tensão surgida há alguns anos  entre  Israel e EUA, quando o governo israelense anunciou planos para a expansão de unidades habitacionais para a população ultra-ortodoxa.

Originalmente, o lendário prefeito de Jerusalém Teddy Kollek,  havia determinado que na área conhecida como Monte Shuafat,  a cidade abrigaria um estádio de futebol com 50.000 lugares, instalações esportivas e quadras de tênis .

Entretanto, o acesso ao estádio seria realizado através de bairros ultra- ortodoxos de Jerusalém , o que gerou uma enorme insatisfação da população ortodoxa. Ainda mais, por causa de jogos e eventos que seriam realizados no Shabat.

Ao final, o estádio foi construído no sul de Jerusalém perto do Shopping  Center “Malcha” , e o monte Shuafat acabou tornando-se parte de um trecho contínuo de bairros ultra- ortodoxos .

As tensões entre “eventos esportivos X população ortodoxa” já haviam sido documentados por fotógrafos Americanos há 80 anos.

Algumas das fotografias abaixo exibem a enorme manifestação da população ultra-ortodoxa contra os jogos Macabeus de 1930. O palco das partidas era o Estádio  “Bokharbia “, nome que nos indica a sua localização: área próxima ao bairro judeu Bukhari adjacente a Meah She’arim .

O jogo era disputado entre os times Hashmonaim e Hapoel. Manifestantes ortodoxos indignados entraram em campo para repreender os jogadores pela violação do shabat.

Os patrocinadores informaram que não foram vendidos ingressos e nenhum veículo de mídia foi autorizado a se aproximar do campo. Desta forma não haveria nenhuma violação. Jogar futebol não é um comportamento proibido no shabat.

Fonte: http://www.loc.gov/

Por Marcelo Treistman


A foto mais antiga de Jerusalém – 170 anos atrás

A foto mais antiga da cidade que se tem conhecimento, foi tirada em 1844 pelo artista e desenhista francês Joseph-Philibert Girault de Prangey (1804-1892), que trabalhava no Oriente Médio.

Em 1844, Jerusalém era uma cidade pequena com uma população de 15 mil pessoas, na periferia do Império Otomano.

Por Marcelo Treistman

Artigos relacionados

Ver mais artigos

Comentários    ( 4 )

4 Responses to “Curtinhas – Fevereiro de 2014”

  • Raul Gottlieb

    02/02/2014 at 18:01

    Assim era o mundo árabe no meio do século 19. A colonização européia fez muito mais bem ao mundo do que mal. Contudo, não é esta a opinião que prevalece.

  • Mario Silvio

    04/02/2014 at 14:15

    Israel não pode, de maneira nenhuma, permitir absurdos como os do Irã e Arábia Saudita.
    Reza, joga futebol e assiste quem quer.

  • Alessandro Martins de Paula

    04/02/2014 at 17:07

    Muito bom mesmo o Conexão Israel. Uma análise laica, profunda e abrangente do dia a dia da sociedade israelense, como do seu cotidiano, das suas glórias e das suas pendengas, mostrando Israel por dentro ao vivo e a cores, como é, sem o idolatrar. Gueuláh/Redenção é isto: o pleno conhecimento da informação, sem varrer nada para debaixo do tapete, como muitos e seus interesses o querem fazer. Parabéns a todo o pessoal do Conexão, pelo belo trabalho da informação!

    • Claudio Daylac

      05/02/2014 at 05:42

      Olá, Alessandro.

      Obrigado por sua visita e por seus elogios. Ficamos felizes de estarmos agradando e trazendo informações sobre Israel como a enxergamos.

      Volte sempre!

      Um grande abraço.

Você é humano? *