Diálogos entre Meir Ariel e Renato Russo

13/04/2015 | Cultura e Esporte

Ele costumava escrever letras longas. Combinava com melodias que ressaltavam as narrativas. Contava histórias “de noites de chuva, perto de Haifa, quando parava o carro, entrava em uma casa desconhecida, encontrava com um casal, bebiam vinho e conversavam filosoficamente”. A viagem é fantátisca. É real. A lavra de Meir Ariel é inconfundível.

Nascido em 1942, passou a infância no Kibutz Mishmarot. Era amigo do Shalom Hanoch, histórico roqueiro daqui. Serviu o exército no grupamento dos paraquedistas.

Casou-se com Tirtza em 1966. Um ano depois, durante a Guerra dos Seis Dias, participou da batalha por Jerusalém. Fato que lhe inspirou a escrever “Yerushalaim Shel Barzel”. Leia aqui o artigo de Yair Mau.

Renato Manfredini Júnior (1960-1996) era um verdadeiro poeta. Suas composições transformavam experiências empiricas em “viagens profundas”. Russo compôs “Ainda é Cedo”, em que expôs relação de amor e dependência, que chegava ao fim. “…Vamos dar um tempo, um dia a gente se vê, mas eu dizia ainda é cedo, cedo, cedo…”

Meir também transita por relações. Minha música preferida dele é “Lo Iachol Leorid Mimech et Ha’Enaim”, ou seja, “Não consigo tirar meus olhos de ti”. Durante as estrofes, tudo ocorre da melhor forma. Pura declaração de amor. “Na verdade, depois de tantos anos, inclusive de manhã, antes de lavar o rosto, se olhando para o espelho…Não consigo tirar os olhos de ti”. Típico empirismo de Russo.

Vocábulos utilizados por ele denotam cultura linguística elevada. Inclusive, para termos mais populares. Em vez de Shikor (bêbado), Shatui (bebeu demais, algo do estilo). O termo vem do verbo Lishtot (beber), seria o seu particípio. Não é licença poética. Trata-se de um hebraico literário.

Meir Ariel morreu em 1999. Obras póstumas foram lançadas. Tanto discos, como livros. 16 anos depois, segue vivo na mente de adolescentes, que o cultuam. Está na memória de sua geração, cujos filhos vão dar-lhes netos. Igual ao pessoal que curtia o Aborto Elétrico e a Legião Urbana.

Link: Lo Iachol Leorid Mimech et Ha’enaim

Link: Meir Ariel

Foto da Capa: Daniela Feldman

Artigos relacionados

Ver mais artigos

Comentários    ( 4 )

4 comentários para “Diálogos entre Meir Ariel e Renato Russo”

  • Marcelo Starec

    14/04/2015 at 04:14

    Oi Nelson,
    Muito interessante a comparação!……
    Abraço,
    Marcelo.

  • Rafael Stern

    14/04/2015 at 18:36

    Você tem um ótimo gosto, Nelson.
    Essa música também é uma das minhas preferidas. Mas é difícil eleger uma preferida suprema, enquanto eu escuto “Agadat Deshe”. E ainda tem “Shir Keev”, que até hoje eu não entendi completamente, hehe. Definitivamente, o cara é um poeta!
    “haOr shelcha, Meir, adain zoher”

    • Nelson Burd

      14/04/2015 at 22:52

      Valeu, Rafael. Ouvia muito essa musica em 2006 e virou minha preferida. De fato, escolher uma so nao se trata de tarefa facil. Abraco.

Você é humano? *