Diga-me o que vestes e eu te direi quem és

Por Mila Chaseliov

Muita gente andou comentando que esse site não tem mulher. Então, por ser leitora assídua e amiga de alguns dos autores, resolvi escrever sobre um assunto “feminino” do qual eu não entendo nada: moda. Ou melhor, roupa.

Casal religiosoEu moro em Jerusalém há 2 anos, e quando a minha mãe veio me visitar ficou chocada com a total ausência de roupas passadas no armário. Eu, que já era super desleixada no Rio, aqui me encontrei. Do café com os amigos ao jantar com o namorado, o figurino em Jerusalém pode ser o que você quiser.

Mas a forma de se vestir aqui é super importante e diz muito sobre o grupo ao qual se pertence. Eu e minhas amigas não nos preocupamos com a moda em si, mas com o que vai dizer a roupa que eu estou usando. Eu sou jovem, estudante e principalmente laica.

Por exemplo, saia comprida é algo que eu aboli, dei todas as minhas. Porque no inverno, cheia de casacos, de saia comprida e toda coberta, me olho no espelho e pareço religiosa. E no verão do deserto eu não aguento.

Família ortodoxa

Jerusalém é uma cidade com muitos grupos diferentes. Quando se vem de fora a impressão que se tem é que só existe judeu ortodoxo na rua. Claro, é muito incomum – especialmente para as visitas do Brasil – ver tanta gente vestindo casacões compridos pretos, chapéus e blusas brancas, também conhecido como Shtetl Fashion Week 1789. Mas mesmo dentro dos ortodoxos existem vários subgrupos, chapéus assim e assado que informam ao “mundo exterior” à qual linha de judaísmo ele pertence.

Na academia em que eu malho, só pra mulheres, as diferenças continuam marcadas. Não tem moda academia, todo mundo com meia esticada até a calça legging. As religiosas se cobrem e ainda usam uma saia por cima da calça de malhar. E algumas malham de peruca, porque se você é religiosa e casada deve cobrir a cabeça sempre.

Religiosa x LaicaFora do mundo ultra-ortodoxo, existem religiosos também. Meninas de saia, não tão comprida mas abaixo do joelho, chapéu ou lenço ao invés de peruca. Os homens de kipá[ref]http://pt.wikipedia.org/wiki/Quip%C3%A1[/ref] e tzitzit[ref]http://pt.wikipedia.org/wiki/Tzitzit[/ref]. E eles frequentam os mesmos lugares que eu.

Às vezes chega a ser cômico – se não fosse trágico? – ver que tem um cara super bonitinho olhando pra você no bar e de repente você percebe que ele está usando kipá. Nada contra a fé dele, mas para mim, que não guardo shabat e não sigo kashrut, não tem muito sentido começar um flerte com alguém que segue a religião.

E dentro do mundo secular existem as figuras que conhecemos do Brasil. Um mais mauricinho ou playboy, uma menina mais perua, e a categoria especial estudante de arte da Bezalel[ref]A Academia de Artes e Design de Jerusalém[/ref].

Como qualquer grande cidade internacional, as tribos israelenses se diferenciam umas das outras, principalmente, através do que vestem. E como em qualquer grande cidade internacional, é melhor você saber disso.

Mila Chaseliov é formada em Comunicação pela Uiversidade Federal do Rio de Janeiro, mora em Jerusalém desde 2011 e faz mestrado na Universidade Hebraica.
Mila Chaseliov é formada em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mora em Jerusalém desde 2011 e faz mestrado na Universidade Hebraica.

Fotos:

Família ultra-ortodoxa: http://www.jerusalemshots.com/i/uploaded2/0411125017.jpg

Religiosa x Laica: http://www.jpost.com/HttpHandlers/ShowImage.ashx?ID=205515

Casal religioso: Arquivo pessoal de Renata Feler

Foto de capa: http://rakstagemom.files.wordpress.com/2011/12/ajtc-fiddler-jr-photo-1-by-mark-gluckman.jpg

Comentários    ( 7 )

7 Responses to “Diga-me o que vestes e eu te direi quem és”

  • Mario Silvio

    24/03/2013 at 14:06

    Uma mulher escrevendo em um site masculino! Onde iremos parar ???????????? Brincadeirinha.

    “chapéus assim e assado que informam ao “mundo exterior” à qual linha de judaísmo ele pertence.”
    Curiosidade: na Bolívia os chapéus identificam as tribos às quais as mulheres pertencem. Foi o que
    me disseram e não sei se aplica-se também aos homens.

  • Raul Gottlieb

    25/03/2013 at 18:16

    Adorei o texto!

    No começo fiquei preocupado com aquele papo de que “está faltando a opinião de uma mulher aqui no blog”. Cada vez que alguém vem com este tipo de conversa penso logo em todos os demais subgrupos da humanidade que também faltam. No Consexão, por exemplo, não tem nenhum ruivo. Será que isto não nos priva de uma visão especial de mundo?

    Porque eu acredito que o ser humano se distingue pela sua individualidade única e não pelo genero, características físicas, etc. Então, a opinião feminina não é nem melhor nem pior do que qualquer outra – o que conta é a opinião da pessoa.

    E fiquei encantado pela forma divertida da Mila expor seu conteúdo, independente de qualquer outra considração. Muito obrigado pelo texto!

    Chag Sameach, Raul

    • Mario Silvio

      26/03/2013 at 15:00

      Discordo em parte Raul. Existem sub-grupos e sub-grupos. Não acho que a falta de um ruivo nos priva de uma visão especial de mundo, mas certas características FACILITAM enxergar outros aspectos de muitas questões.
      Com certeza a opinião feminina não é nem melhor nem pior do que qualquer outra, só é, muitas vezes, diferente.

  • Raul Gottlieb

    26/03/2013 at 19:29

    Caro Mario,

    Só é possível falar em “opinião feminina” se todas as mulheres tivessem a mesma opinião. Ou ao menos se compartilhassem de um mesmo viés “opinático”, de uma mesma forma de ver o mundo,

    Como nada disso acontece, muito pelo contrário, não existe a tal “opinião feminina”.

    Generalizar masculino-feminino em matéria de opinião e de pensamento me parece uma tolice. É uma tolice extremamente popular, sem a menor dúvida.

    O texto da Mila é bom porque ela sabe escrever e tem humor e sensibilidade. Não porque ela é mulher.

    Chag Sameach!
    Raul

  • helio

    07/05/2013 at 14:33

    Ola , Querida e admirada por mim =), achei muito relevante e muito rico o assunto e o conteudo, visando que o foco alem de roupas, moda, realmente ela diz muito sobre nos , muitas vezes como estamos a cada dia.
    muito interessante, gostei muito.
    Queria que vc , que mora ai, poderia projetar um site amigavel e de relacionamento entre Homens Brasileiros e mulheres israelitas, independente de qual cidade for, E um honra ver e ter como esposa uma mulher de israel se for possivel vc intermediar , serei grato pro resto da vida , a voce. primeiro a Deus e a voce =), desde ja sucesso, isto e so um comentario se nao for possivel , ja sou grato pela atençao, sucesso linda!

  • handersom naity

    02/09/2015 at 23:13

    Boa tarde Mila Chaseliov adorei o conteudo do assunto,queria se possivel vc me tirar uma duvida ja q vc mora em israel se as mulheres cristã usam algum tipo de adorno,brincos colares esse tipo de assessórios porque sou evangelico e a maioria das igrejas proibi o uso desses objetos seria muito grato se vc podecer me ajudar.

    • Mila Chaseliov

      03/09/2015 at 23:18

      Oi Handersom,
      obrigada pela visita! Não conheço nenhuma regra específica para cristãos. Vejo meninas com colares de cruz.
      Abraços,
      Mila

Você é humano? *