HaTnua

19/12/2012 | Eleições; Política

1399720-5

HaTnua (O Movimento) foi criado, há dois anos, pela ex-líder da oposição, Tzipi Livni, que deixou o Kadima, após perder as prévias internas para o ex-ministro de Defesa, Shaul Mofaz. O objetivo era se firmar no campo político da centro-esquerda e tentar impedir a reeleição do atual premiê Bibi Netanyahu, do Likud-Beiteynu, sendo oposição no parlamento, caso o partido não vença o pleito de janeiro.

O HaTnua surgiu às vésperas de uma eleição ao Parlamento, dando guarida a três grandes nomes da política nacional: Tzipi Livni, Amram Mitzna e Amir Peretz. Derrotados nas prévias internas de seus antigos partidos, eles buscaram no eleitorado a aprovação não conquistada junto aos antigos correligionários.

O partido recebeu o número de seis cadeiras na atual Knesset após as eleições de 2013.

Figuras em Destaque

Tzipi Livni, 54 anos, advogada e ex-agente do serviço secreto. Ex-membro do Likud, é parlamentar desde 1999. Foi ministra da Cooperação Regional, Habitação, Agricultura, Relaçõs Exteriores e Justiça desde 2001. 

Amir Peretz, 60 anos, ex-prefeito de Sderot, ex-líder da Histadrut (Sindicato Geral dos Trabalhadores de Israel) e ex-Ministro da Defesa, responsável pela criação do programa Domo de Ferro (Kipat Barzel).

Como é decidida a lista?

Tzipi Livni a decide sozinha.

Posições do Partido

Religião e Estado

O partido entende que o Estado de Israel deve ser um país democrático e o lar nacional do povo judeu. Investir na manifestação da cultura judaica é função do Estado, mas deve ser feita sem coerção de nenhum grupo religioso, com total liberdade de crença. O HaTnua é a favor de uma reforma no rabinato, que regule o seu poder e que condicione a eleição para rabino-chefe de cada cidade ao voto direto.

Política Econômica

O HaTnua se define como dono de uma política econômica distinta das duas maiores correntes do país: nem adepto do mercado livre, apoiado por Likud e Israel Beiteynu, nem o socialismo, pregado pelas esquerdas. A proposta é o apoio do Estado a todos os cidadãos, a base do Estado, a desenvolver-se economica e socialmente sozinhos. O partido, então, apoia o mercado livre, mas regulamentado pelo Estado, a partir de investimentos na periferia e na classe média (“espinha dorsal da sociedade”).

Política Social

O mercado de trabalho de Israel está se desintegrando, em virtude da dinamização do trabalho, que gera uma alta rotatividade, baixos salários e desemprego. O HaTnua propõe: aumento do salário mínimo que chegue a, pelo menos, 56% do salário médio do país; programas de reciclagem de trabalhadores para resolver as crises de desemprego; inclusão de medidas preventivas nos seguros de saúde; expansão do transporte público que chegue aos locais de trabalho; quotas de até 20% para que todas as minorias sejam integradas ao mercado de trabalho. Além disso, o partido se compromete a resolver a crise dos preços de imóveis, incentivando a moradia na Galileia (norte) e no Neguev (sul) através de políticas públicas de construção de moradia, aumentar os impostos de executivos que recebam mais de 100 mil shkalim por mês, etc.

Educação

Para garantir uma verdadeira igualdade de oportunidades, o HaTnua deseja unificar os currículos e igualar o nível de todas as escolas do país. Além disto, o partido deseja um incentivo maior à educação profissionalizante e às instituições acadêmicas e valorizar a educação infantil, sucateada nos últimos anos.

Territórios e Processo de Paz

O Estado de Israel tem o direito de existir como Estado nacional do povo judeu. Os que não o reconhecem como tal e atuam em virtude da sua destruição (como o Hamas) devem ser combatidos militarmente. Com os que o reconhecem e estão dispostos a renunciar à violência, deve iniciar-se uma negociação pragmática a fim de criar dois Estados na região, o que garantiria a maioria judia no Estado de Israel. Estas negociações definiriam as fronteiras definitivas do Estado Palestino, que por si só resolveria o problema dos refugiados. As fronteiras seriam delimitadas de acordo com a realidade demográfica regional, levando em conta lugares com importância religiosa, de segurança nacional e, obviamente, Jerusalém, “eterna capital do povo judeu”, seria tratada de forma distinta.   

Segurança e Exército

Reforçar medidas preventivas, com a inteligência militar. O partido valoriza o investimento na defesa civil, sobretudo o Domo de Ferro, desenvolvido quando Amir Peretz era Ministro da Defesa. Melhorias e melhor uso da Polícia de Fronteira e leis que obrigam as construções de bunkers em edifícios são metas do HaTnua para a segurança da população.

O partido sustenta que todos os cidadãos devem servir o país na idade de 18 anos obrigatoriamente.

Outras Posições

O partido possui um plano de incentivo para a educação não-formal: deseja não só incentivar os movimentos juvenis, como também institui-la em escolas e abrangê-la aos adultos.

O HaTnua também deseja mudar o sistema eleitoral para um no qual o Primeiro Ministro seja o líder do partido que angariou mais votos, sendo conhecido por todos no dia das eleições.

Fontes

Site oficial do HaTnua.

Foto de capa retirada do site: http://tags.walla.co.il/?w=///1423729/5/@@/media

Comentários    ( 14 )

14 comentários para “HaTnua”

Você é humano? *