Humus: paixão nacional

Um dos pratos mais tradicionais em Israel, senão o maior deles, atende pelo nome de Humus. Quem nunca experimentou, além de não entender de fato o que é sentir prazer ao se alimentar, não poderá ser perdoado. Se alguém provou e não gostou, sugiro ler até o final, “coletar” algumas dicas e começar a mudar de ideia.

O Humus (detalhe para a letra maiúscula) é uma pasta feita a base de grão-de-bico (na verdade, a palavra significa grão-de-bico, e o prato originalmente se chama Humus beTehina, ou seja, grão-de-bico batido com tehina) e esse legume é antiquíssimo. Dizem que surgiu no período neolítico, justamente na época do surgimento da agricultura. Portanto um dos primeiros grãos que se ouviu falar. Diz-se, inclusive, que os gregos e os romanos foram (são até hoje) grandes apreciadores do grão, tanto é que o nome científco desse grãozinho (Cicer Arietnum) deu origem ao nome de Cícero, um dos maiores pensadores da Roma antiga.

Indícios nos mostram que a primeira vez que o grão foi cozido e misturado com a Tehina (creme de gergelim), aqui na Terra Santa, teria sido por volta do ano 1.150, na época da segunda e da terceira Cruzada, quando Jerusalém foi alvo de conquista de reis europeus. De lá até aqui, o caminho foi longo e as receitas foram aprimoradas conforme o tempo passou.

Como para preparar um feijão existem infinitas formas e um sem fim de receitas, assim é também com o Humus. Ele pode levar mais tehina ou menos tehina. Mais alho ou menos alho. Mais limão ou menos limão. Mais cominho ou menos cominho. Mais páprica ou menos páprica. E conforme se tira ou se acrescenta um pouco de algum dos ingredientes, se recebe uma mágica e diferente porção.

 

A cada esquina se encontra hoje em dia uma Humusiá(restaurante de humus). Todo humus, em cada um dos diferentes estabelecimentos, tem seu gosto peculiar. Um iniciante na arte de degustar humus talvez não perceba a sutil diferença, mas um experiente saberá analisar com carinho cada uma das porções.
Os tempos são modernos, então além de servir o Humus com a tradicional pita, muitas Humusiot incrementam os pratos com cogumelos, carne ou até ovo cozido, sempre ao gosto do consumidor. É costume de famílias e amigos na sexta-feira, antes da entrada do Shabat, disfrutarem juntos de um bom Humus no seu lugar predileto.

Segue logo a baixo a lista com algumas das minhas Humusiot preferidas. Por se tratar de uma questão de gosto, é importante conhecer várias delas para então se chegar a uma conclusão. Bom proveito, Beteavon!

– Abu Dhabi
– Abu Adam
– Abu Gosh
– Aleluia
– Hashkara
– Abu Thaleb
– Abu Hassan
– Bahaduns

Neste site, os endereços dos “melhores” Humus de Israel.
http://hummus.mouse.co.il/

Comentários    ( 15 )

15 Responses to “Humus: paixão nacional”

  • Gabriel

    29/12/2012 at 19:20

    Hummus HaNasich em Rehovot. O melhor Hummus Pargiot (pedacinhos de galeto em cima do humus com tehina). Uma delícia, minha recomendação…

  • Andre Rozenbaum

    29/12/2012 at 20:58

    Beg,
    Talvez seja uma boa voce postar fotos embaixo de cada humus
    hahaha

    abs

    • Bernardo K. Schanz

      02/01/2013 at 18:33

      Nem todos esses humus que citei tem foto.
      As fotos ficarão para a próxima.

      Um abraço

  • Rita Burd

    31/12/2012 at 17:33

    BEG,
    O MELHOR HUMUS QUE EU PROVEI É O DO ABU GOSH RECOMENDADO E APRESENTADO PELA QUERIDA AMIGA GLADIS BERENZOWSKI
    DELÍCIA DELÍCIA
    RITA

    • Bernardo K. Schanz

      02/01/2013 at 18:30

      Realmente o de Abu Gosh dispensa comentários. Está na lista!!

      Um abraço

  • Rodrigo Amar, Novo Vassoura

    02/01/2013 at 07:05

    A Galere exige saber a receita sugerida e utilizada pelo BEIGÃO !!

    • Bernardo K. Schanz

      02/01/2013 at 18:29

      Obrigado pelo comentário, Rodrigo Vassoura.
      Minha receita ainda precisa ser aprimorada. Por enquanto prefiro ficar com as Humisiot!

      Um abraço

  • Edison Pereira

    06/01/2013 at 16:13

    Obrigado, Bernardo, pelas dicas. Já está na minha lista das coisas e lugares que terá que me acompanhar em Israel, quando eu estiver aí novamente: Abu Gosh ! E lá, logico não vou me esquecer de te pedir a clássica imitação do Sivio Santos !!!
    abraço
    Edison Pereira / São Paulo/Brasil

    • Bernardo K. Schanz

      07/01/2013 at 17:52

      Isso aí Edison!
      Obrigado pela sua visita ao site, volte sempre!

      Um abraço

  • Maria Lucia Levy Malta

    10/01/2013 at 03:27

    Bernardo, a foto do início é tentadora, e teu artigo, bueníssimo.

    Vou recomendar o site para minha Mora, ela se viu em apuros para explicar aos alunos brasileiros o que era humus, e admirou-se quando disse a ela que no Brasil é chamado exatamente de grao-de-bico.

    Um abrazo desde Salamanca

    • Bernardo K. Schanz

      10/01/2013 at 13:09

      Oi Lucia!
      Obrigado pela visita e pelo comentário.

      Un abrazo desde Ramat Gan

  • Lauro Cohen

    26/01/2013 at 21:37

    Esse tal “humus” verde esparramado me lembra outra coisa muito diferente de “delícia”! kkkkkkkkkkk

  • Leandro Alves

    10/10/2013 at 18:00

    Melhor que humus não há! Detalhe: proteína ultra-saudável… bem diferente de maiosene hellmans e similares.

  • Mauro Bilman

    08/12/2013 at 22:30

    Querido David G.
    Continue brilhando,
    uai!!!
    bjs abcs