O dia que Ben-Gurion ganhou 400 milhões de dólares

A Universidade Ben-Gurion do Negev anunciou esta semana (24/06/2016) que recebeu uma doação de 400 milhões de dólares do casal Lottie e Howard Marcus, de San Diego, EUA. Esta não é somente a maior doação jamais recebida por qualquer universidade israelense, mas talvez a maior doação que qualquer instituição do Estado de Israel já tenha recebido.

Howard e Lottie

Howard W. Marcus nasceu na Alemanha, em 15 de setembro de 1909. Quando os nazistas ascenderam ao poder em 1933, ele era um jovem dentista. Ele então fugiu para Nápoles, Itália, onde viveu na pobreza e sofreu de subnutrição enquanto trabalhava para conseguir um diploma médico e fazer requalificação como dentista. Contudo, após o pacto entre Hitler e Mussolini, a Itália passou, em 1938, leis antissemitas, tanto na esfera pública quanto na privada — um primeiro passo que culminaria na deportação de 20 porcento dos judeus italianos para campos de extermínio nazistas durante a guerra. A sorte de Howard foi que um de seus pacientes era o cônsul-geral dos EUA, e ele, em um ato de bondade, quebrou a lei americana ao falsificar a data de requerimento do visto, para uma época quando documentos de trânsito ainda podiam ser conseguidos.

Lottie Blumlein também nasceu na Alemanha, em 1916. Em 1934, depois que seu irmão foi assassinado por ativistas nazistas em frente a sua casa na cidade de Linden, a garota de 17 anos convenceu seus pais a deixarem-na ir aos EUA. Chegando ali, Lottie desenvolveu suas habilidades secretariais, já que era fluente em alemão, francês e inglês. Foi assim que ela conseguiu um trabalho em Wall Street, onde conheceu o lendário Benjamin Graham, o “pai do investimento em valor”. Graham se encantou com Lottie, e mesmo sendo 20 anos mais velho, a pediu em casamento. Lottie recusou, mas a amizade de ambos durou até a morte de Graham em 1976.

Quando Howard, com a ajuda do cônsul-geral americano, chegou aos EUA em 1939, ele teve novamente que completar 2 anos de estudos e treinamento como dentista para poder ser licenciado. Ele, então, mudou-se para Nova Iorque, onde conheceu Lottie num jantar na casa de amigos, e logo se apaixonou por ela. Em seu casamento em 1942, o único familiar do casal a comparecer foi uma das três irmãs de Howard. Todos os outros membros das duas famílias haviam sido mortos durante o Holocausto.

A família Marcus tinha uma vida calma e frugal. Uma das pequenas extravagâncias que se permitiam era passar as férias esquiando com Ben Graham. Um dia, eles pediram a seu amigo conselhos financeiros, e Graham lhes indicou um aluno seu na Columbia Business School, um jovem prodígio chamado Warren Buffett. Ele então convidou Buffett para conhecer o casal. Lottie e Howard decidiram colocar a maior parte de suas economias na nova empresa que Buffett criara, empresa que posteriormente se tornaria a Berkshire Hathaway, hoje a quinta maior empresa de capital aberto do mundo.

Buffett conta: “conheci Howard e Lottie há mais de 50 anos, através de um amigo comum, meu herói Ben Graham. Nós logo viramos amigos, e eles decidiram participar da minha empresa de investimentos. Conhecendo-os, não é nenhuma surpresa que eles tenham decidido usar seu sucesso financeiro para melhorar a vida de milhares de jovens israelenses.”

O dinheiro cresceu com os anos, e graças aos juros compostos, chegou aos milhões e depois a muitos milhões. No final dos anos 1970, seguindo o conselho do médico de Howard, eles se mudaram de Nova Iorque para San Diego, na Califórnia. O casal seguiu vivendo uma vida simples (moravam em um apartamento de dois quartos), e ninguém que os conhecia tinha ideia do tamanho de sua fortuna. Ali eles viveram juntos até Howard falecer em 12 de abril de 2014, com 104 anos. Lottie faleceu um ano e meio depois, em dezembro de 2015, dois meses antes de completar 100 anos. Os dois foram casados por 72 anos.

Lottie e Howard, visitando Ben-Gurion em 2005.
Lottie e Howard, visitando Ben-Gurion em 2005.

Os Marcus e Ben-Gurion

Em 1997 Howard e Lottie Marcus conheceram por acaso um agente de desenvolvimento que representava a Universidade Ben-Gurion do Negev. Este lhes contou sobre o trabalho pioneiro da universidade nas áreas de dessalinização e agricultura do deserto, entre outras áreas. Eles se encantaram com a universidade, e, alguns anos depois, fizeram uma generosa doação ao Instituto Zuckerberg de Pesquisa de Água, localizado no campus Sde Boker (os outros dois campi ficam em Beer Sheva e Eilat). O casal Marcus acreditava que o apoio à pesquisa relacionada à água era uma peça fundamental para a paz e o futuro desenvolvimento de Israel e seus vizinhos.

Contudo, ainda queriam encontrar uma “casa permanente” para sua fortuna ainda crescente. Em 2004 o casal ganhou títulos de doutores honoris causa da universidade, “em reconhecimento a seu espírito pioneiro, filantropia excepcional, e dedicação ao ensino superior.” Howard e Lottie então decidiram doar a maior parte de sua fortuna para a Universidade Ben-Gurion do Negev, apostando na visão de seu patrono, de criar uma instituição de excelência em educação e pesquisa, bem no meio do deserto do Negev.

Em março do 2005, a manchete do jornal Haaretz anunciava “200 milhões de dólares na classe econômica”. Foi assim que os milionários Lottie (89 anos) e Howard (95 anos) decidiram voar para Israel, para fazer parte da cerimônia de renomeação do que fora chamado por 30 anos de “campus novo” de Beer Sheva para “Campus Família Marcus”.

“Estou emocionado, do fundo do coração”, disse Howard durante a cerimônia. “O que vocês conseguiram fazer aqui é quase um milagre que virou realidade. Vocês tornaram o deserto em uma história de sucesso em termos científicos.” O então presidente da universidade, Avishay Braverman, disse na cerimônia: “A Universidade Ben-Gurion agradece e aprecia os membros da família Marcus por sua generosa doação, que é de extrema importância para o futuro e crescimento da universidade e do Negev.”

Visita da família Marcus à universidade. Começando da esquerda: a neta, Jennifer Kaplan; a filha, Ellen Marcus; antigo presidente da universidade, Avishay Braverman; Lottie Marcus; Shimon Peres, então vice primeiro-ministro; Howard Marcus.
Visita da família Marcus à universidade. Começando da esquerda: a neta, Jennifer Kaplan; a filha, Ellen Marcus; antigo presidente da universidade, Avishay Braverman; Lottie Marcus; Shimon Peres, então vice primeiro-ministro; Howard Marcus.

Uma parte pequena do dinheiro foi chegando com o passar dos anos, mas a maior parte da doação seria deixada como herança depois que Howard e Lottie morressem. Assim, em pouco mais de dez anos, estes 200 milhões prometidos viraram 400 milhões, e o que já era uma doação extremamente generosa, tornou-se a maior doação da história do Estado de Israel.

O dinheiro provavelmente rendeu cerca de 7% ao ano, dobrando de valor em 10 anos. Um jeito fácil de saber o tempo que leva para dobrar é dividir 70 anos pela porcentagem dos juros (7, no caso). Isto funciona porque o logaritmo natural de 2 é muito perto de 0.70 (como não amar os logaritmos?!)

Wadi do Silício

A Universidade Ben-Gurion, fundada em 1969, é uma das mais jovens de Israel. Graças à doação da família Marcus, entre outros fatores, ela é a universidade que mais cresce hoje em dia. Eu estudei meus mestrado e doutorado ali, e nos vários anos que estive em Beer Sheva, onde fica o campus Marcus, sempre vi pelo menos um prédio em construção. O ritmo de crescimento se intensificou nos últimos anos, e depois de 2 anos que não visitava a universidade, fiquei impressionado de ver prédios novíssimos erguidos onde antes ficavam estacionamentos.

A universidade é parceira na criação do Parque de Tecnologias Avançadas, que está sendo construído ao lado do campus Marcus, contribuindo para tornar Beer Sheva a capital nacional de tecnologia, e fazer do deserto do Negev o “Wadi do Silício” israelense.

Ben-Gurion dobrará de tamanho com sua expansão para um terreno ao norte do campus Marcus, colado ao parque de tecnologia e perto de uma nova base de tecnologia do Exército de Defesa de Israel, que será finalizada nos próximos anos. A universidade é uma locomotiva no avanço da ciência e desenvolvimento de todo o sul do país, e me dá orgulho ser parte desta história.

Fazendo a pesquisa para este texto, conheci a história de vida do casal Marcus, e sinto uma enorme gratidão por seu apoio à ciência, aos jovens israelenses, e por seu compromisso com o Estado de Israel. Howard e Lottie aprenderam que um Estado para os judeus é fundamental para a segurança do Povo de Israel, e sua contribuição deixará o país muito mais firme, mantendo-o por muito mais décadas na vanguarda em assuntos ligados à água, conservação ambiental e irrigação no deserto.


Materiais usados na pesquisa deste texto:
Artigo do Haaretz em hebraico, artigo do Haaretz em inglês, excelente artigo do Wall Street Journal, artigo do IVC Research Center, artigo do American Associates of the Ben-Gurion University of the Negev, Revista da Universidade Ben-Gurion de Maio de 2014 e Fevereiro de 2016, artigos publicados pela universidade Ben-Gurion anunciando a doação (inglês e hebraico).

Imagem de destaque, no topo do texto: um dos vários lindos pedaços do campus Marcus, em Beer Sheva.