O “Estado Judeu” em debate: Bar’el & Ben Meir

17/10/2014 | Opinião, Sionismo.

Este é um debate entre Zvi Bar’el e Yehuda Ben Meir, sobre a exigência israelense de que os palestinos reconheçam Israel como um Estado Judaico, e o que significa um Estado ser “judaico”. O debate se deu em dois artigos publicados no jornal Haaretz em 2014.

Barel2
Zvi Bar’el

O primeiro artigo é de Zvi Bar’el, comentarista de assuntos árabes do jornal Haaretz. Ele é professor na Faculdade Sapir e também na Universidade Ben-Gurion, onde estuda a mídia do Oriente Médio e o debate político e cultural dos países islâmicos. Bar’el ganhou o prêmio Sokolov de jornalismo de “obra de vida”, e escreveu o livro “Quando carros caíram do céu”, sobre governo e ocupação no Oriente Médio.

benmeir
Yehuda Ben Meir

Em resposta ao primeiro artigo vem Yehuda Ben Meir. Ele é doutor em psicologia e foi membro da Knesset entre os anos 1971 e 1984, pelo Mafdal, partido religioso nacional, chegando a ser vice-Ministro do Exterior. Depois que deixou a Knesset, estudou Direito e trabalhou como advogado. Hoje ele é chefe do projeto “Opinião pública e segurança nacional” no Instituto de Pesquisa de Segurança Nacional da Universidade Tel Aviv.

A tradução dos textos é minha (Yair). Aproveitem a leitura.

Reconhecendo um Estado judaico-nacionalista

Zvi Bar’el, publicado no Haaretz em 26 de março de 2014.

“Eles se esqueceram o que é ser judeu”, sussurrou Binyamin Netanyahu ao ouvido não muito atento do rabino Kaduri em 1997. “Eles”, esses “comedores de coelhos”, os “esquerdistas”, os “refinados”; “Eles” são uma boa parte da população do Estado de Israel (excluindo-se os árabes, dos quais, como bem se sabe, ainda não se exige que sejam judeus). Judeus verdadeiros, segundo Netanyahu, são apenas aqueles cujo “israelismo” deriva de seu judaísmo, e “israelismo” não pode ser outra coisa senão judaico.

Daí se conclui que judeus verdadeiros devem lutar com todas suas forças contra “o Estado de todos seus cidadãos”, porque este termo traz consigo uma ameaça terrível: ele nega a existência de Israel como Estado e terra de refúgio somente para judeus. Este é um nacionalismo ambicioso e purista que chega a ser racista, nada mais e nada menos que o nacionalismo palestino. Pois também a Palestina é destinada a ser o Estado somente da nação palestina, e terra de abrigo de seus milhões de refugiados, e somente deles.

Aparentemente, Israel também tem o direito de exigir o reconhecimento de seu nacionalismo religioso, assim como os palestinos. Contudo, um abismo separa a exigência de reconhecimento palestina desta dos judeus. Enquanto que o nacionalismo e identidade do “Estado judeu” (que não é o mesmo que Estado de Israel) deriva da religião, da promessa divina e da trágica história de antissemitismo, a narrativa e a identidade palestinas apoiam-se firmemente na história compartilhada entre o povo palestino e o movimento sionista. Em contrapartida à exigência judaica de reconhecimento da “República Judaica de Israel”, definição idêntica a do Paquistão e Irã, os palestinos exigem o reconhecimento da Nakba, a tragédia que deu luz ao problema dos refugiados, da narrativa histórica que descreve a perda territorial dos palestinos. Israel nunca reconheceu nenhum destes, e parece que não há intenção de reconhecer agora também.

O pavor dos judeus é que o reconhecimento de parte da responsabilidade da narrativa palestina não apenas tenha como consequência exigências de indenizações, ou que perpetue o sonho de volta dos palestinos à terra dos judeus, mas também impeça o fim do conflito. Este argumento não tem fundamentos. Israel não esqueceu e não perdoou a Alemanha, que reconheceu total responsabilidade por seus crimes, e assim mesmo não existe conflito entre os dois países. O Vietnã não perdoou e não esqueceu o terrores da guerra, mas seu conflito com os Estados Unidos dissipou faz tempo, assim como a luta nacional entre Argélia e França, e a luta dos países africanos contra seus ocupadores colonialistas.

Israel não poderá apagar a memória coletiva palestina, nem o sentimento de raiva e a vontade de vingança de muitos cidadãos palestinos, cujos alguns ainda estão em campos de refugiados fora da Palestina, e parte tem seus entes queridos enterrados nos cemitérios da Cisjordânia ou presos nos cárceres de Israel. Mas diferentemente de cidadãos, Estados não se vingam. Eles resolvem seus conflitos com acordos.

A recusa judaica de reconhecer um Estado palestino e a exigência de reconhecimento palestino da exclusividade judaica de Israel não devem ser vistos somente como um truque político, cujo objetivo é fazer com que as negociações fracassem. A exigência de se reconhecer a República Judaica deriva internamente do pavor de identidade. Ela está projetada a definir em nome dos cidadão israelenses – justamente por meio dos palestinos – o judaismo de seu Estado, e esta é uma parte integral da herança de identidade que Netanyahu deseja deixar ao povo de Israel.

À exigência de Netanyahu de se reconhecer o Estado Judeu, somam-se os esforços de ensinar a tradição por meio de visitas a assentamentos e aos túmulos dos patriarcas, conteudos tendenciosos introduzidos ao currículo escolar de Cidadania, juntamente com a eliminação sistemática da narrativa palestina do currículo de História, e leis que outorgam claras vantagens a judeus em relação a outras minorias. Mais perigoso que tudo isso – sua exigência de reconhecimento do Estado Judeu ameaça ainda mais a identidade israelense, que está sendo confinada dentro de uma identidade judaica-nacionalista. Uma identidade que não deixará de lembrar todo israelense “o que é seu judeu”.

Haifa e o monte Carmel
Haifa e o monte Carmel

A exigência do reconhecimento de um Estado Judeu é justa

Yehuda Ben Meir, publicado no Haaretz em 2 de abril de 2014.

A discussão sobre se reconhecer o Estado de Israel como o Estado nacional do povo judeu já chegou a níveis absurdos. Não há dúvida que a discussão se Israel deve impor esta exigência como condição sine qua non para um acordo com os palestinos é legítima. Pessoalmente, não tenho dúvida que a insistência do primeiro-ministro neste ponto é justa e realista – mas é razoável também se ter outra opinião. Contudo, nos últimos tempos começaram a aparecer nas páginas deste importante jornal artigos que põem em xeque a própria afirmação de que o Estado de Israel é um Estado Judeu.

Houve aqueles que afirmaram futilmente que na ênfase do caráter judaico do Estado de Israel existe algo de racista, que fere a igualdade e os direitos das minorias, ou a imposição da religião sobre o Estado. Um jornalista “sênior” até chegou a chamar um artigo seu de “A República Judaica de Israel” [leia o artigo acima], insinuando que Israel está seguindo os passos da República Islamica do Irã. Nada disso! A exigência de se reconhecer Israel como o Estado nacional do povo judeu não tem nada a ver com religião – ela está inteiramente no âmbito nacional, e não religioso.

O povo judeu existe há cerca de três mil anos e cumpre as definições essenciais de uma nação. Ele tem uma língua própria, bens culturais próprios – o mais importante de todos o Tanach [a Bíblia Hebraica] – e uma terra própria. Este povo também tem uma religião única, e portanto não existem judeus cristãos. Mas a maior parte dos membros do povo judeu em Israel, e certamente na diáspora, não são religiosos e muitos deles são até mesmo ateus. Este é o significado da declaração dos sábios do Talmud de que “um membro de Israel, mesmo que tenha transgredido, segue sendo membro de Israel”, isto é, mesmo que ele não tenha nenhuma relação com a religião, enquanto não tenha adotado uma outra religião, ele segue sendo parte do povo judeu.

Alguns afirmam que o Estado-nação é um anacronismo no século XXI, um fenômeno que está desaparecendo. Qualquer um que tenha olhos e não esteja desconectado da realidade internacional sabe que esta afirmação é infundada. Basta escutar os habitantes da Crimeia falando sobre a “mãe Rússia”, ou os habitantes de Kiev falando sobre a mãe Ucrânia, para entender isto. Em muitos dos Estados-nação do mundo existem minorias nacionais, que gozam de plenos direitos civis, e isto não faz com que elas deixem de ser Estados-nação.

Não está claro porque os alemães, franceses e ingleses – mesmo tendo em seus países minorias nacionais – podem ser orgulhosos de seu Estado-nação, e somente aqui é proibido dizer que Israel é um Estado-nação, porque isto seria supostamente racismo ou nacionalismo. Todo exercício de debate e discussão inúteis não podem esconder nem invalidar a verdade histórica, de que Israel foi fundada pelo povo judeu e é mantido pelo povo judeu.

A exigência que se faz dos palestinos de reconhecer Israel como Estado-nação do povo judeu é justa, porque é a verdadeira prova, o papel decisivo para o fim do conflito. Quem compara os judeus de Israel com a colonização francesa na Algéria ou com a colonização inglesa no Quênia, não é um “partner” para a paz, porque com um ocupador colonialista, com um elemento estranho, não se faz paz.

Eu também tenho uma narrativa sobre o nosso direito a toda Terra de Israel, mas eu entendo que deve-se ajustá-la à realidade na qual também há um povo palestino que vive nesta terra. Se os palestinos querem a paz, eles devem ajustar a sua narrativa da Palestina completa à verdade histórica, segundo a qual existe um povo judeu com uma profunda identificação com esta terra e um profundo direito de manter seu Estado em parte dela.

Opinião minha – Yair Mau

Em poucas palavras: Compartilho da desconfiança que Bar’el tem de Netanyahu, que exige o reconhecimento por parte dos palestinos para atrapalhar as chances de negociações de paz. Ele também tem razão quando diz que existe em Israel uma onda de definição da identidade judaica com parâmetros religiosos e nacionalistas bastante restritos, sob os auspícios do Ministério da Educação e do Exército. Finalmente, é verdade que a narrativa palestina é completamente ignorada no debate nacional.

Contudo, tenho bastante a concordar também com Ben Meir. É interessante notar que o laico Bar’el pinta o judaísmo do Estado Judeu com cores religosas, enquanto que o religioso Ben Meir vê o judaísmo do Estado como algo nacional. Falar de Israel sem reconhecer que os judeus são uma nação não faz o menor sentido, e a estrutura do Sionismo desmorona quando o aspecto nacional é deixado de lado.

Se você gostou de ler o debate acima, não perca O “Estado Judeu” em debate, onde publicamos dois textos, de Ari Shavit e Amos Schocken. É imperdível!

Imagens:
Haifa e o monte Carmel: Wikipedia

Artigos relacionados

Ver mais artigos

Comentários    ( 7 )

7 Responses to “O “Estado Judeu” em debate: Bar’el & Ben Meir”

  • Mario S Nusbaum

    17/10/2014 at 18:30

    “exige o reconhecimento por parte dos palestinos para atrapalhar as chances de negociações de paz.” Pode ser Yair, mas por que os palestinos não reconhecem? Na minha opinião pelo mesmo motivo. Nunca entendi a insistência no reconhecimento e nem a recusa, nenhum dos dois mudaria alguma coisa.
    Tenho algumas observações sobre o artigo do Zvi:

    ” cujos alguns ainda estão em campos de refugiados fora da Palestina,” Sim, mas resolver a situação deles seria muito fácil. o problema é que TODAS as lideranças palestinas insistem no absurdo de que se herda a condição de refugiado. Meu avô foi expulso da sua aldeia russa na I Guerra, nem por isso acho que tenho o “direito” de “voltar” para lá. Se essa idiotice não fosse exclusividade dos palestinos, a maioria dos judeus teria o “direito” de “voltar” para muitos países.

    ” leis que outorgam claras vantagens a judeus em relação a outras minorias”
    Quais? Alguém pode cita-las?

    ” com a eliminação sistemática da narrativa palestina do currículo de História,”
    Não me lembro de ter estudado a narrativa paraguaia da guerra na escola. Também não me consta que nos EUA se ensine a narrativa mexicana. Estou falando do ensino fundamental.

  • Yair Mau

    17/10/2014 at 18:41

    Provavelmente nenhum líder palestino reconhecerá Israel como Estado Judeu pois isso seria jogar pela janela uma de suas maiores exigências, a do retorno (eles chamam de direito, não de exigência). Num futuro acordo está claríssimo que Israel não aceitará milhões de palestinos para dentro de suas fronteiras.

    Sobre as leis que dão vantagem a judeus em detrimento de outros, vou perguntar para quem sabe mais que eu. Isso provavelmente seria pano para manga de um artigo separado.

    Finalmente, sobre as narrativas, os palestinos são um povo indígena da Palestina, hoje Israel. O estudo de sua narrativa seria análogo ao estudo da narrativa dos índios brasileiros no Brasil. É assim que eu vejo.

    • Mario S Nusbaum

      18/10/2014 at 13:21

      Já perguntei sobre as tais leis várias vezes e sempre as pessoas não respondiam ou divagavam. Obrigado pela sinceridade Yair e aguardo alguém me dizer quais são, e concordo que merece um artigo.
      Sua visão sobre os palestinos é bem interessante, mas continuo com o meu ponto de vista: sempre pensando no ensino fundamental, em crianças, não se ensina o que os bandeirantes faziam com os indios, o que, na minha opinião, está certíssimo.

      “Provavelmente nenhum líder palestino reconhecerá Israel como Estado Judeu pois isso seria jogar pela janela uma de suas maiores exigências, a do retorno (eles chamam de direito, não de exigência). ”
      Verdade, o que dá um excelente argumento para qualquer líder israelense que não queira negociar. Eles podem chamar do que quiserem e a ONU aceitar, mas sempre ficará faltando explicar porque este critério surreal só se aplica a eles.

    • João K. Miragaya

      18/10/2014 at 18:03

      Yair,

      Eu acredito que um dos motivos pelos quais os palestinos jamais reconhecerão o Estado de Israel como um Estado judeu é a total ausência de definição sobre o que significa ser um “Estado judeu”. Sabemos que boa parte dos árabes israelenses consideram-se “palestinos de cidadania israelense”. Como uma liderança palestina reconheceria um Estado judeu, sabendo que parte de seu povo vive ali e não se define (nem é definido por ninguém) como judeu? O que significa Estado judeu? Que o Estado é mais dos judeus do que dos outros?

      Nem mesmo a Declaração de Independência de Israel, redigida em 1948, não menciona “Estado judeu”. Fala em um Estado para os judeus, mas que respeite os direitos das minorias (e quais seriam estes direitos?). O termo democracia, inclusive, também não aparece no documento. A obra de Theodor Herzel, mal traduzida para “O Estado Judeu” em português, na realidade significa “O Estado dos Judeus” (Der Judenstaat). Qual seria a diferença? Sabemos que o conceito de “judeu” não se refere somente à religião, mas inegavelmente, como o próprio Ben-Meir diz, a religião é um fator crucial para definirmos, pelo menos, quem não é judeu. E os árabes não são. Qual o status de um árabe num “Estado judeu”? E num “Estado dos judeus”?

      Estes conceitos precisam ser definidos, independentemente da forma como desejamos que os palestinos nos reconheçam. Certamente a exigência feita só aos palestinos, e sem dizer o que a mesma significa, é suspeitosa e muito questionável. Principalmente quando vêm de representantes da direita religiosa, que acreditam de alguma forma na Terra de Israel Completa (Eretz Israel HaShlemá).

      Parabéns pelas traduções! Ficaram excelentes!

    • Mario S Nusbaum

      18/10/2014 at 20:11

      “a total ausência de definição sobre o que significa ser um “Estado judeu”. ” E é exatamente por isso (e por mais alguns motivos, um dos quais explico abaixo) que considero tanto a exigência quanto a recusa uma idiotice!
      Sobre quais seriam os direitos das minorias, imagino que sejam os dos judeus e até hoje foram respeitados.

      Um dos outros motivos: alguém por um acaso acha que se forem criados dois países e um dia hezbola ou hamas tiverem ampla superioridade militar sobre Israel deixarão de atacar o país por causa do seu nome?

  • Marcelo Starec

    18/10/2014 at 23:42

    Oi Yair,
    Interessante o seu artigo…Concordo inteiramente com o Yehuda Ben Meir. Acho que o que estamos pedindo aos árabes palestinos tem um motivo muito claro e que você menciona – o tal “direito” de retorno. Descupe-me por discordar de você em muitos aspectos Yair, mas é óbvio que Israel foi um País criado pela ONU para ser O Estado Judeu (ou o Estado dos Judeus), senão não há nenhum sentido na existência de Israel – para ser simplesmente um lugar onde vivem judeus, Israel não tem sentido em existir…Pode até ser que precisamos discutir muito o que significa exatamente ser um Estado Judeu (ou dos judeus), mas não há outra razão para Israel existir que não seja essa! E ao contrário de tantos outros países (inclusive árabes) que fizeram a paz com Israel e este não exigiu esse reconhecimento, os árabes palestinos querem algo que, sabem, vai destruir o Estado de Israel como ele é – o tal direito de retorno…ou seja, inundar Israel de muçulmanos, transformando o País em um “novo Líbano” com direito a guerra civil e tudo!…E em meu entender é exatamente isso que torna a negociação com os árabes palestinos diferente de qualquer outra que já houve. Eles tem de respeitar que Israel é nosso, claro, com democracia, tolerância e pleno respeito as minorias. Senão, para que criar um outro Estado Árabe, se eles além de receberem este, ainda querem ficar com Israel, tomando “democraticamente” o Estado Judeu?????…..
    Abraço,
    Marcelo.

  • Marcelo

    19/10/2014 at 15:25

    Yair,

    Textos excelentes. Te agradeço pelas traduções.

    Concordo – de forma integral – com os argumentos do Ben Meir. Reitero as críticas realizadas ao primeiro artigo.

    A definição do caráter “judaico” do Estado, tanto no que tange a “identidade” do país, quanto na “exigência” do atual governo em suas negociações de paz, arrisco dizer, é o tema com maior capacidade de gerar lucros as livrarias.

    Opinião sobre este assunto é o que não falta. Temos toda uma gama de cores que percorrem estas três palavras: “Estado Judeu Democrático”. Há um curso (ou havia) da professora Ruth Gavizon na Universidade Hebraica, que durava 6 meses, para discutir justamente (e somente) isso: o que é “Estado”, o que é “Judeu” e o que é Democrático.

    Quando leio sobre este assunto, não consigo desviar os meus olhos do foco jurídico da questão. Quando estudo o que os tribunais israelenses disseram no passado e quando vejo a atuação da Suprema Corte em nossos dias, digo sem pestanejar que o caráter judaico do estado já foi definido. E ele é justamente o que o Ben Meir descreve.

    A quantidade de vitorias do valor “democracia” sobre o valor “judaico religioso” é infinitas vezes superior todas as vezes que eles se enfrentaram no tribunal. É isto que define na prática o “funcionamento” do Estado perante os seus cidadãos.

    Se há derrotas da “pluralidade democrática” perante o conceito “religioso restrito”, elas existem porque o valor judaico religioso venceu dentro de um processo legislativo legítimo e, em nome da independência dos poderes, é vedado qualquer interferência do poder judiciário no assunto.

    Dentro de um país governado pelo império das leis, como o é o Estado de Israel, este tipo de legislação religiosa, é passível de mudança. A maioria destas eleis exige tão somente quorum mínimo para sua alteração no parlamento.

    Certamente existem críticas democráticas tanto para o legislativo quanto para o poder judiciário. Mais um ponto de lucro para as livrarias e empresas que se dedicam a vender tinta e papel.

    É verdade, não somos uma democracia perfeita. Mas dentro da nossa imperfeição é agradável observar que o país se esmera para colocar o valor democrático em um pilar superior a outros valores, qualquer que sejam eles no dia a dia de TODOS os seus cidadãos.

    O que se exige da sociedade palestina é que se demonstre de forma mais eficaz que eles estejam dispostos a construir uma democracia tão imperfeita quanto a nossa.

    E então, poderemos viver infelizes para sempre. Mas, viveremos.

Você é humano? *