Pão e guerra

08/08/2014 | Cultura e Esporte

O principiante no hebraico, tendo aprendido que a raiz de três consoantes é a ideia central da língua, logo se pergunta: o que raios “pão” tem a ver com “guerra”? Pão se diz LeCHeM (לֶחֶם), onde as letras maiúsculas indicam a raiz da palavra (pronuncie CH como aquela coçada na garganta pra tirar o catarro persistente), enquanto que guerra se diz miLCHaMa (מִלְחָמָה). Como explicar essa conexão insólita?

Quando Deus expulsa Adão e Eva do paraíso, diz: “Do suor do teu rosto comerás o teu pão” (בְּזֵעַת אַפֶּיך תֹּאכַל לֶחֶם). O pão bíblico significa comida em geral. Em Gênesis 28:20 o patriarca Jacó diz: “Se Deus… me der pão para comer, e roupa para vestir” (אִם יִהְיֶה אֱלֹהִים… וְנָתַן לִי לֶחֶם לֶאֱכֹל וּבֶגֶד לִלְבֹּשׁ). Da mesma forma que “roupa” é um nome geral de tudo que se veste, “pão” é um nome geral de tudo que se come.

Contudo, Lechem pode ser usado de forma específica também. Em Gênesis 18:5-6, Abraão oferece pão aos três viajantes que lhe aparecem à porta, e logo diz a sua esposa Sara: “Amassa depressa três medidas de farinha”. Este pão provavelmente é algo que nós também chamaríamos de pão. Já em Gênesis 31:54 lemos que “Jacó ofereceu um sacrifício na montanha, e convidou seus irmãos, para comer pão; e comeram pão e passaram a noite na montanha”. Este pão é a própria carne do sacrifício, não outra comida que de repente apareceu. Finalmente, em 1 Samuel 30, David encontra um egípcio e lhe dá “pão”, consistindo de figos e uvas. Temos, portanto, exemplos concretos de pão como algo feito de farinha, pão de origem animal, e pão representando frutas.

pao

O significado do nome da cidade de Belém pode variar, depende a quem se pergunta. Ao falante do hebraico, Bet Lechem é a “casa do pão”, mas ao falante do árabe “Bet Lachm” é a casa da carne. Na língua ancestral destes dois primos linguísticos, pão era qualquer comida. Aqueles que moravam no deserto provavelmente tinham a carne como alimento principal, portanto Lachm virou carne, enquanto que os hebreus e arameus tinham os cereais como alimento principal, portanto Lechem virou pão.

Finalmente chegamos à conexão entre pão e guerra. Na línguagem bíblica, o verbo comer é usado às vezes no sentido de luta contra um inimigo. Em Números 13:32 os espiões mandados à Terra de Israel mentem dizendo que “a terra que exploramos come os seus habitantes: os homens que vimos ali são de uma grande estatura”. Moisés usa a mesma linguagem em Deuteronômio 7:16, quando diz ao povo de Israel: “comerás todos os povos que o Senhor, teu Deus, te der”.

Em português todos sabemos que o “segundo significado” de comer é sexual. Por que justo o verbo “comer” e o substantivo “comida” ganharam em hebraico o significado de violência e guerra?

A ligação entre comida (pão) e guerra não é exclusiva da raiz L-CH-M. A raiz Z-O-N, da qual falei extensamente no artigo Zain, produz as palavras Mezuyan (armado) e Mazon (alimento). Outras três raízes hebraicas tem o mesmo efeito, apresentadas abaixo, juntamente com Z-O-N:

Raiz significado – comida significado – guerra
Z-O-N, זו”ן comida =
mazon =
מָזוֹן
armado =
mezuyan =
מְזוּיָּן
TZ-Y-D, צי”ד provisões de viagem =
tzeda =
צֵידָה
caça =
tzaid =
צַיִד
N-TZ-H, נצ”ה pão ázimo =
matza =
מַצָּה
disputar, brigar =
nitza =
נִצָּה
T-R-F, טר”ף comida (Provérbios 31:15) =
teref =
טֶרֶף
fera = ele devora =
toref =
טוֹרֵף

Na minha opinião, a chave da ligação entre comida e guerra está justamente no último exemplo da tabela, com a raiz T-R-F que indica devorar.

Termino com dois versículos bíblicos sobre a guerra, cada leitor escolhe o que lhe parecer mais adequado à situação de hoje.

Eclesiastes 3:8 – קוהלת ג’ ח
עֵת לֶאֱהֹב וְעֵת לִשְׂנֹא, עֵת מִלְחָמָה וְעֵת שָׁלוֹם
Tempo de amar e tempo de odiar, tempo de guerra e tempo de paz

Isaías 2:4 – ישעיהו ב’ ד
וְכִתְּתוּ חַרְבוֹתָם לְאִתִּים, וַחֲנִיתוֹתֵיהֶם לְמַזְמֵרוֹת–לֹא-יִשָּׂא גוֹי אֶל-גּוֹי חֶרֶב, וְלֹא-יִלְמְדוּ עוֹד מִלְחָמָה
E converterão as suas espadas em enxadões e as suas lanças em foices; uma nação não levantará espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerrear.


Fontes:
Safa-ivrit
A imagem dos pães é uma adaptação minha da foto do flickr de Katrin Morenz, segundo a seguinte licença Creative Commons.
Bônus:
Piada sem muita graça: הבאנו שלום על לחם

Comentários    ( 4 )

4 comentários para “Pão e guerra”

  • Rebeca Daylac

    08/08/2014 at 15:55

    Yair,
    Muito interessante!!!
    Rebeca

  • Raul Gottlieb

    09/08/2014 at 19:24

    Olá Yair

    Mais um versículo que talvez seja adequado para o momento atual é Devarim 25:19 (fala em apagar os traços dos Amalequitas da face da terra). Na Torá os Amalequitas são o paradigma dos que atacam de forma traiçoeira. Algo assim como os que lançam mísseis em alvos não militares, os que não respeitam as tréguas, os que assassinam sem julgamento os cidadãos que consideram traidores e na CNN somam estas mortes na conta de Israel.

    Mas a frase da nossa cultura que eu acho a mais adequada para o momento é a de Hilel: “Se eu não for por mim quem será? Mas se eu for apenas por mim, quem sou eu? E se não agora, quando?”. Todo o elevado comportamento moral que o mundo exige de Israel (se eu for apenas por mim, quem sou eu?) só tem sentido se Israel estiver vivo (se eu não for por mim, quem será?). E não dá para esperar a ONU se mexer ou o Egito mediar (e se não agora, quando?).

    Abraço, Raul

  • Rosangela

    10/08/2014 at 21:53

    Shalom, Yair.
    Excelente artigo. Acrecentou-me bastante.
    Quanto a aproximação entre Lechem e milchamá, para mim, consiste em que, de certa forma, naquela época, o povo guerreava por causa da comida. O alargamento das tendas, disputas territoriais para plantio e pecuária. De modo geral, lutavam pelo pão. Você acha que também pode fazer sentido?
    Mas gostei também da abordagem feita aqui; na guerra os homens se devoram.
    Shavua tov!

  • Helio

    30/11/2015 at 16:20

    Yair,

    Uma vez, há uns 30 anos, fiquei curioso com o fato das duas palavras terem a mesma raiz, e perguntei para um professor israelense a mesma pergunta, qual é a ligação?

    O professor foi procurar a resposta na academia da lingua hebraica em Israel, e voltou com uma explicação parecida.

    Também a explicação dele vinha do fato de Lechem ser a única palavra nos tempos antigos para o que hoje chamamos em Israel de Ochel, comida.

    Na continuação, disse que o principal motivo das guerras nos tempos antigos era por territórios – e por quais territórios? Aqueles aonde estava a comida.

    Em Hebraico, אנשים לחמו ללחם, “Anashim lachamu lelechem”, os homens guerreavam pela comida.

    No fim está tudo ligado.

    Um abraço a você.

Você é humano? *