Quase Shabat…

06/01/2016 | Conflito; Sociedade

Sexta-feira à tarde. Inverno. O Shabat começará em poucas horas. Enquanto Jerusalém adormece, Tel Aviv ferve.

Pessoas de todas as idades saem de casa. Com namorados, amantes e cachorros. É fim de semana. Meio friozinho, tempo chato. Bom para tomar um café, ver o bater de pernas de mulheres elegantes, cujos vestidos compridos levantam até a altura da canela, ao sabor do vento gelado.

Um capuccino. Uma cerveja. Um suco. Um chá. Petiscos. Papos com os amigos. Paqueras com desconhecidos unem corações de solitários. Casais tranquilos sentam em cafeterias. Todas as idades representadas, em vários tipos de estabelecimentos.

Este é o retrato semanal da rua Dizengoff, centro de Tel Aviv. Verdadeiramente, o coração da cidade. A política nacional pode viver momentos inquietos, o mundo pode explodir, mas este cenário é imutável. Era.

Rashat Milham,29 anos, árabe israelense, residente da região norte, quebrou o sonho que os telavivim chamam de rotina. Tiros de metralhadora M-16 mataram três inocentes. Shimi Ruimi, Alon Bakal e Ayman Shaaban não voltaram para casa, depois de curtir a vida ou trabalhar antes do dia do descanso.

O terrorismo insiste em quebrar ambientes de paz. O pai de Rashat, policial, viu a imagem do filho nas câmeras de segurança e fez a denúncia. A dor dos outros que perderam familiares é imensurável. A vergonha dos Milham é enorme.

Usaram, pela primeira vez. depois deste atentado, o termo “Terceira Intifada”. Ouvi em alto e bom som na televisão.

Infelizmente, os ataques a faca não cessaram. O que é ruim, piorou. Espero que as sextas-feiras de Tel Aviv continuem sendo o que são, como a descrição acima. Em todas épocas do ano. Se o terror continuar visitando inesperadamente, a vida será um inferno para todos.

Já vimos este filme. Ele é péssimo no início, meio e fim.

Foto: Daniela Feldman Niskier.

Artigos relacionados

Ver mais artigos

Comentários    ( 4 )

4 Responses to “Quase Shabat…”

  • Marcelo Starec

    08/01/2016 at 01:14

    Oi Nelson,

    Excelente texto!…Muito bem colocado!…Israel e o mundo não podem ceder ao terror, jamais!…Aqui, temos uma cidade que representa de forma exemplar os valores ocidentais, nesse Oriente Médio onde predomina a intolerância – a todos os que não são bem aceitos pelos valores do islã radical (judeus, cristãos, muçulmanos que não concordam com o islã radical e intolerante e todos os demais…). O Oriente Médio precisa de Tel Aviv para se manter “vivo”!!!….

    Abraço,

    Marcelo.

    • Nelson Burd

      08/01/2016 at 10:12

      Concordo plenamente. De modo organizado, ou por “freelancers”, o terrorismo não conseguiu e não conseguirá mudar nossa rotina. Eles nunca vencerão. Abraço.

  • Raul Gottlieb

    08/01/2016 at 13:40

    Nelson, talvez eles não queiram vencer da forma como nós imaginamos que seja uma vitória. Talvez vencer para eles seja apenas manter o terror, apenas manter a matança, mesmo sabendo que ela não vai nos derrotar. Acho que nós não estamos equipados intelectualmente para entender a cabeça destas pessoas. Abraço grande e um ótimo Shabat! Raul

    • Nelson Burd

      08/01/2016 at 15:14

      Concordo contigo. Mais um motivo para seguir adiante. Shabat Shalom