Quem mora lá?

Porto Alegre. Bairro Moinhos de Vento. Rua 24 de Outubro, esquina com Dr. Vale. Exatamente neste local encontra-se a Hidráulica, sede de captação do DMAE (Departamento Municipal de Águas e Esgotos). Olhando da calçada, parece uma mansão, com lindo jardim à vista. O turista que vai até a capital gaúcha, sempre ouve a piada: Eu moro neste casarão. Queres comprar ou alugar?

Em Tel Aviv, quase em frente ao shopping Azrieli, um conjunto de casinhas de pedra chamava a atenção. Área enorme, em região valorizada do centro, com algumas pequenas construções e nenhum habitante. Quem seria o dono do terreno?

As edículas foram construídas por templários alemães, há mais de 140 anos, antes mesmo da fundação da cidade. Durante a Segunda Guerra Mundial, os ingleses governavam a Terra Santa e declararam os germânicos como “inimigos”. Eles migraram para a Austrália. Em 1949, o premiê David Ben Gurion incorporou esta faixa à vizinha base militar.

Somente em 2006, a Prefeitura de Tel Aviv aprovou a restauração, revitalização e implementação de lojas, restaurantes e mercados. Nascia o Sarona, no coração da pulsante metrópole.

Bom para comer, beber, passear e comprar. Lotado sempre. Manhã, tarde e noite. Aberto todos os dias da semana. O melhor da cozinha típica e internacional. Atrai nativos e visitantes estrangeiros. Nem o atentado terrorista, que fez vítimas, diminuiu o ritmo. Pelo contrário. O Max Brenner, de chocolates e doces, onde palestinos entraram atirando, esteve cheio, no dia seguinte. O israelense tem esta habilidade de se regenerar emocionalmente. De forma rápida.

Passei por lá naqueles dias. Era hora do almoço. Adolescentes, com bandeiras de Israel, cantavam e lembravam os assassinatos. Respondiam à tristeza com alegria. O povo aplaudia. Neste horário, os trabalhadores da região comem por lá. Tem muita opção. Desde sanduíche de Hering (bem iidish) até comida italiana e georgiana. Aqui, agora tem a moda das “Paletas Mexicanas”, os famosos picolés. Experimentei o doce de leite com banana. Quase provei o de cheesecake com frutas vermelhas.

Aproveitando os gramados e árvores, há estabelecimento que comercializa toalha, comidas e bebidas para piqueniques. É um sucesso. Quem preferir ambiente climatizado, tem o mercado (Sarona Market), com várias opcões. Eu comi no Fiori, de massas. Atendimento nota 10. Cheguei a sacar dinheiro a mais, só para dar a gorjeta justa.

Não deixem de passar por lá. Para quem vem de trem, é só descer na estação Tel Aviv-HaShalom e atravessar a avenida Menachem Beguin. Programa recomendado para todas as idades e épocas do ano.

Link: https://www.touristisrael.com/sarona-market-tel-aviv/18877/

Foto: http://www.beinharimtours.com/news/wp-content/uploads/2016/05/Sarona-Tel-Aviv-61.jpg

Artigos relacionados

Ver mais artigos

Comentários    ( 0 )

Comments are closed.