Tel Aviv, a praia de startups do Oriente Médio

O setor de tecnologia de Israel é mundialmente conhecido, e empresas fundadas no país tem ganhado palco dos jornais e telas de milhões de usuários. O site Geektime revelou alguns números interessantes. Em 2015, havia 1.400 startups, provavelmente um número conservador, das quais 373 captaram cerca de 3,58 bilhões de dólares, e 69 empresas foram vendidas por um total de 5,41 bilhões de dólares. Vale a pena entender a metodologia no artigo.

Há várias maneiras de tentar entender o sucesso do setor de tecnologia de Israel. Um deles é entrando no espírito de Tel-Aviv, a cidade mais famosa deste centro tecnológico que expressa um pouco do espírito israelense. A cidade tem cerca de 410 mil habitantes, e a inovação está no seu DNA.

Não é preciso ir muito longe. No meu próprio círculo de amigos, o setor de tecnologia predomina como fonte de trabalho e renda. Quase todos trabalham em empresas com desejo e procura de crescer e dominar mercados globais. Fora isso, muitas das grandes empresas de tecnologia do mundo têm escritórios de Pesquisa & Desenvolvimento em Israel.

Dentre as características da cidade, está a sua piscina de talentos. O ecossistema de start-ups vem de uma cultura de negócios aberta e compartilhada. Empreendedores têm diversas opções para começar seus negócios, e há satisfatória disponibilidade de capital para boas ideias e desenvolvimento de novas empresas. Inovadores experientes estão abertos a compartilhar suas visões e ideias, e a cidade contribui bastante, com um clima ‘cool’, humano e oferta de trabalhadores jovens de primeira linha. Naturalmente, a suas lindas praias e uma cultura sustentável, ainda compõe um local perfeito para trabalhar e aproveitar uma cidade divertida e cheia de cultura.

Não à toa a cidade foi considerada o segundo melhor ecossistema para start-ups do mundo. Ficando apenas depois do Vale do Silício, a cidade bateu cidades como Los Angeles e Nova Iorque no ranking feito pelo ‘The Startup Ecosystem Report’, de 2012.

mapa jonja

Pessoalmente, no começo tive dificuldade de lidar com a falta de amabilidade dos israelenses, mas com o tempo pode-se ver que o objetivo está focado nos desafios, e ser direto ajuda bastante nessa conquista. Os israelenses podem ser mal educados às vezes, mas são legais e muito inteligentes. De maneira geral, aprende-se muito trabalhando em uma metodologia que envolve confiança e ‘fazer as coisas acontecerem’.

O jeitinho israelense já conquistou empresas como Google, Facebook, Apple, Intel, HP, Philips, Cisco, Oracle, SAP, Microsoft, além de muitas outras que escolheram Israel e Tel-Aviv para construir centros de P&D. Andando pela cidade, é fácil perceber o que a faz especial. Com seus cafés de boa qualidade, não falta cafeína para tantas empresas apostando no crescimento e resolvendo problemas globais.

 

Fontes:

http://www.geektime.com/2016/01/11/annual-report-2015-startups-and-venture-capital-in-israel/

http://itrade.gov.il/india/2015/01/19/tel-aviv-ranked-2nd-world-silicon-valley-start-ecosystem/

https://en.wikipedia.org/wiki/Silicon_Wadi