Trabalho em Israel para estrangeiros

02/09/2013 | Economia; Sociedade

65 anos atrás foi fundado o Estado de Israel, depois de cerca de 90 anos de pioneirismo e 60 anos de muita movimentação política sionista internacional. Não foi fácil construir este país do zero. Existiam algumas coisas por aqui antes de que se iniciasse a colonização judaica, mas realmente não muita coisa, quase nada. Milhares de judeus vieram antes mesmo de existir um estado judaico, baixo autoridade turca e logo inglesa, para iniciar os trabalhos de construção da nova realidade.

 O Sionismo Trabalhista

A.D. Gordon
Aharon David Gordon

Dois grandes ideólogos dessa época são Dov Ber Borochov e A. D. Gordon. Os dois figurinhas entenderam desde um princípio que o burguês judeu da Europa (Oriental principalmente, pois os judeus não podiam ter bens como terras e portanto se prendiam ao bem financeiro como forma de juntar herança) teria que agarrar as ferramentas e trabalhar na agricultura em um princípio e subsequentemente nas fábricas. Borochov desenvolve a teoria da pirâmide invertida, onde as massas são profissionais (como advogados, doutores, engenheiros, etc) e não trabalhadores. E portanto, esses profissionais recém chegados teriam que colocar a mão na massa e juntar-se a classe trabalhadora para que se possa levantar essa nova sociedade.

Ber Borochov
Ber Borochov

Quando era mais jovem carregava essa idealização de Israel na cabeça, de justiça social, de uma sociedade igualitária, aonde todo o povo como um trabalha para concretizar um ideal, o Sionismo Trabalhista pelo qual fui ativista no Brasil durante muitos anos. Os primeiros anos foram os anos mais duros da história de Israel, mas foram os anos de maior calor, anos dourados para muitos que ainda se lembram da época em que todos eram mais simples juntos, uma sociedade extremamente unida e com objetivos claros – levantar o Estado Judeu em Israel, na terra prometida ao povo por milênios. A sensação de trabalhar por esse ideal movimentou este país por muitos anos.

Mas com o passar dos anos essas visões foram ficando de lado e o país esta cada vez mais parecido com os países de onde vieram as massas de imigrantes algumas décadas depois, trazendo mudanças na sociedade e na economia israelense.

Exército – A primeira experiência de trabalho do israelense

Aos que pensam em vir para Israel trabalhar, não recomendaria vir para Israel sem ter um vínculo forte com a ideologia sionista. Aqui não se fazem fortunas em trabalhos simples como em alguns países europeus. O auto convencimento de que você esta trabalhando por algo maior que dinheiro é o que me move aqui. Outro detalhe não muito agradável para a grande maioria é que o exército aqui é obrigatório, mesmo se você resolveu imigrar aos 23 anos. No exército, a ideologia é fundamental para se manter no lugar (mentalmente) e sentir alguma gratificação em servir para o sistema militar. O exército de Israel é considerado um dos melhores do mundo, mas para os jovens Israelenses, significam 3 anos de trabalho forçado para um sistema coercivo. (ou seja, não é férias em Gaza – é chato e obrigatório)

Soldada israelense - Protegendo o Estado
Soldada israelense – Protegendo o Estado

Por ser obrigatório e realmente uma necessidade para a sobrevivência do Estado que se encontra rodeado por território hostil, o exército ganha força nas batalhas por que para aqueles judeus, é tudo ou nada. Não se trata de um exército de mercenários, mas um exército de cidadãos defendendo diretamente suas famílias. Imagina você mesmo tendo que defender o Brasil lutando na Floresta Amazônica, por ex., ou lutando a 60 km da sua casa com mísseis caindo na zona onde toda sua família vive. É claro que no segundo caso você vai entrar com muito mais garra pra vencer – é tudo ou nada.

Mas não vou entrar mais a fundo no tema exército neste artigo.

O trabalho no exército abre muitas portas aqui em Israel. O exército é a primeira experiência de “trabalho” de todo jovem israelense. Logo depois da escola o jovem passa por diversos testes e entra no exército para servir de acordo com seus talentos. Isso acaba definindo muitas vezes os papéis desses jovens na sociedade posteriormente. Também existem jovens que decidem seguir carreira militar, o que é um grande prestígio para os mais idealistas e têm também diversos benefícios para a família e aposentadoria.

O mercado de trabalho para estrangeiros em Israel

Poster do JNF, o KKL
Poster do JNF, o KKL

O mercado de trabalho para estrangeiros em Israel não é muito grato. Como é no Japão com os descendentes de japoneses, em Israel, os descendentes de judeus tem direito imediato a um visto de trabalho, e os que não são descendentes podem vir trabalhar, mas há de haver um empregador disposto a contratar essa pessoa para que possa aplicar frente ao ministério responsável o pedido de visto.

Uma coisa que é certa em Israel, ser doméstica, pedreiro, motorista, trabalhar pesado dá muito mais dinheiro que em qualquer país de terceiro mundo e muito mais cobertura médica em caso de acidente e afins. Mas não há nenhum interesse do Estado e de empregadores em receber residentes temporários e pagar visto de trabalho para fazer esses trabalhos. O que acaba ficando como um belo mercado de trabalho para os imigrantes, descendentes de judeus, de países de terceiro mundo que já faziam isso ou que estavam desempregados em seu país por muitos anos e que tudo o que necessitavam era uma oportunidade para poder trabalhar e se sustentar dignamente. Muitos descendentes de judeus argentinos durante e depois da crise recente vieram se refugiar em Israel e tem tomado muitas posições de trabalho na base da economia israelense.

Uma das melhores maneiras de vir para Israel e se autossustentar é o voluntariado em um kibutz (קיבוץ). Os kibutzim são sociedades agrícolas que foram formadas por seguidores dos mesmos ideólogos do Sionismo Trabalhista. É uma sociedade igualitária, onde todo o fruto do trabalho é dividido entre seus chaverim (membros). A força do trabalho coletivo movimentou a economia e o desenvolvimento do país durante muitos anos, mas o sistema kibutziano se encontra em decadência e necessita da ajuda de voluntários para poder manter suas portas abertas e a ideologia socialista de pé.  É por isso que já tem alguns bons anos que se pode conseguir permissão de trabalho e vivenda em um kibutz através do movimento kibutziano em Israel.
Não tem nenhuma representação do movimento ai no Brasil, tudo deve ser feito aqui, mas dá pra ligar ou mandar e-mail e se informar se você fala Inglês:

Site do Movimento “Kibutzi Artzi” (קיבוצי ארצי “Kibutziano” Nacional).

Vista Aérea do Kibutz Eilot, no Deserto do Negev. Ao fundo o Mar Vermelho e Eilat
Vista Aérea do Kibutz Eilot, no Deserto do Negev. Ao fundo o Mar Vermelho e Eilat

Kibbutz Program Center
Volunteer Dep. of the kibbutz movement
6 Frishman st., Tel Aviv
Tel: 972-3-5246156
Fax: 972-3-5239966
kpc@volunteer.co.il
www.kibbutz.org.il

Esse é o melhor caminho para vir a Israel passar um tempo, conhecer e não se preocupar com trabalho (pois você trabalha no kibutz garantido) e tem moradia, comida, roupa lavada, etc…
Não é uma maneira de fazer grana. Israel não tem nada para que você faça grana e volte para o Brasil sem ter imigrado (pelo menos não aos olhos da lei). Existe uma onda de imigração ilegal da Tailândia e Filipinas e só é ignorado“aceito” por que são mão de obra extremamente barata e o mais importante: disciplinada.

Se você tem na sua família algum judeu, você pode aplicar para imigrar e se aprender o hebraico e se integrar na sociedade com seu talento, pode ter sucesso neste novo país. Mas como disse e repito, Israel não é um país de oportunidades, é um país para idealistas.

Para informações sobre imigração, aqui está o site da Agência Judaica sobre Aliá (imigração עליה).

Trabalhar? Prefiro estudar!

Se a sua não é trabalho, mas sim estudos, Israel é uma ótima opção! É um dos países com mais instituições de ensino superior por habitante do mundo, existem muitos especialistas de diversas áreas aqui. Há programas de intercâmbio na Universidade Hebraica de JerusalémTel-AvivBar-Ilan e Haifa. Institutos renomados de ciência e tecnologia como o Weizmann e o Technion também aceitam estrangeiros com destaque em suas áreas. Também há uma instituição privada, o IDC em Herzelya, que tem programas com classes em inglês apenas em diversas áreas, inclusive humanas. Diversas pessoas em todo o mundo já estudaram em Israel, dentre elas o anterior presidente do Uruguay, Tabaré Vasques, que estudou alguns anos no Instituto Weizzman em Rehovot.

Para mais informações de como conseguir bolsas de estudo para estudar aqui em Israel, recomendo entrar no site da Embaixada de Israel no Brasil e se interessar pelo programa Mashav, que é um programa criado em 1950 (2 anos depois da independência de Israel) e foca no intercâmbio de mentes. Este pequeno país têm na ciência e no desenvolvimento do pensamento crítico grande parte de seus objetivos e desde um princípio isso fica claro – o primeiro presidente de Israel foi o renomado químico Chaim Weizmann que reuniu as grandes cabeças do povo judeu em Israel em busca de desenvolvimento acadêmico. Dentre eles, Albert Einstein que presidiu a Universidade Hebraica de Jerusalém durante 4 anos (1925-1928) antes mesmo da independência do Estado. Einstein deixou para a Universidade uma bela herança: Todos os documentos escritos durante toda a sua vida, todas as suas teorias, invenções e até mesmo o direito de uso comercial da imagem do cientista são propriedade da mesma.

Chaim Weizmann e Albert Einstein em Israel
Chaim Weizmann e Albert Einstein em Jerusalém

 

Comentários    ( 19 )

19 comentários para “Trabalho em Israel para estrangeiros”

  • Nelson Burd

    02/09/2013 at 20:35

    Gordon, o velho da enxada. Para mim, Borochov ainda é atual, pelo menos, na realidade de muitos imigrantes que chegam com diplomas universitários e precisam trabalhar em outras atividades, até se adequar.

  • Ricardo Arcanjo

    02/09/2013 at 20:57

    Prezado Gabriel. Texto muito interessante sobre o trabalho em Israel. Visitei Israel pela primeira vez em 2011 (Turismo) e recentemente (Maio/2013) voltei ao país como bolsista do Programa Mashav (Fiz um curso na área de gestão e inovação para o setor agrícola). O programa é realmente excepcional!

  • ofra

    03/09/2013 at 18:46

    Israel não é um país de oportunidades, é um país para idealistas.!!!
    es una frase muy dura…..
    yo la expresaria mejor asi!!!! isreael es un pais para sionista y judios idealistas y hay que trabajar duro y tener suerte para tener oportunidades
    por otro lado de que oportunidades hablas!!! de ganar dinero de hacer la america eso ya no existe en ningn lado e Israel en comparacion a otros paises en los que vivi y trabaje !!! si hay oportunidades de trabajo

    • Gabriel Guzovsky

      03/09/2013 at 19:34

      Oi Ofra,

      Pode ser que tenha sido um pouco duro, mas é a minha franca opinião.
      Acho que existe gente que acredita poder fazer a América no Oriente Médio, eu discordo que seja possível e pela quantidade de amigos que voltaram para o Brasil por este motivo é que escrevi isso.
      Existem oportunidades de trabalho para estrangeiros que não são olim chadashim?
      E para os olim, vir para Israel apenas buscando trabalho e fazer dinheiro – é um bom conselho?
      Acho que os olim que vem para cá têm que estar conscientes de que a escolha de vir para Israel não é apenas econômica.

      Ofra, se você tiver oportunidades de trabalho, convido a postar aqui para que os interessados possam ver.

      Abraço,
      Gabriel

    • Rnd Skill

      12/09/2014 at 03:24

      Confesso, que gostaria de servir ao Exercito de Israel. Porém, não sou judeu, não falo hebraico e sei pouco da cultura penso que as chances são muito pequenas de eu conseguir isto.

  • carlos

    13/09/2013 at 05:07

    È a figueira brotou… quero parabenisar seu pais.

  • ALAIN MAIDANA

    27/10/2013 at 05:30

    BUENAS NOCHES ,ESTOY EMOCIONADO CON SU ARTICULO ESTIMADO,,LE ESCRIBO DESDE PARAGUAY,QUE PODRIA APORTAR A ESTA NACION PODEROSA,COMO INMIGRANTE,YA QUE NO TENGO UNA PROFESION Y TENGO MAS DE 40 AÑOS,RESPONDAME PORFAVOR?

  • paulo cezar

    31/08/2014 at 06:56

    oi sou do ms ja trabalhei no estado de sp agora quero trabalhar nas forças armada israelense sou um idealista amo israel sou muito inteligente em materia de combate gostria de defender israel

  • Edney Benayon

    20/10/2014 at 06:39

    Boa noite,

    Primeiramente quero parabenizar pelo artigo, simples, focado e objetivo. As informações devem ser precisas e sem rodeios. Tenho interesse de visitar Israel, e se possível passar um tempo. Ainda não tenho idéia de como. Quero descobrir também as origens de minha família e se há alguém da linhagem por ai : BENAYON.

  • regina tavares de almeida

    06/01/2015 at 06:32

    Boa Noite! Sou natural do RJ e atualmente resido em Belem do Para. Estou interessada em trabalhar em jerusalém tenho 60 anos,não me considero uma velha. Tenho experiencia em fazer pão, doces, biscoitos,sobremesas comidas caseira, se tiver chance queria ir, não sei hebraico, mas com a convivencia aprendo,pois ai tem Restaurante. Será que tenho chance? Shalóm!

    • Jurema

      15/12/2015 at 13:37

      bom dia

      Regina Tavares de Almeida

      Você conseguiu ir para Israel ? tenho grande interesse em ser voluntária

      obrigada

  • carlos rosa

    30/11/2015 at 00:11

    Varias vezes tenho visitado Israel e trabalhei em smpresas israelitas na Europa, e portanto tenho uma admiração tremenda pelo povo e pelo País.Tenho pena de ter70 anos porque senºao quem iria viver para Israel era eu.Bem Hajam irmºaos

  • doralice mallta

    08/12/2015 at 03:52

    Achei lindo Israel.um povo muito interessante, quanto a mudar de país penso no melhor para os filhos, a educação deste país é uma das coisas que me chama atenção, aqui no Brasil os alunos fingem que estuda e os professores fingem que dão aulas, e pouco se aprende, penso sempre em termos de educação o que é melhor para eles, e não em termos financeiros, acho que não tem nada de errado em ter uma vida simples e feliz. Infelizmente no Brasil e educação deixa a desejar, e outras coisas também,Mas segundo o blog da Yali Berlinski ela acha que o povo Brasileiro não merece nem mesmo pisar em Israel, como se o Brasileiro não tivesse nada a oferecer de bom,um povo simples que se adapta a qualquer ambiente e circunstância, trabalhador. bom e generoso. Nós também aguardamos a vindo do Messias e lógico não existe lugar melhor que Israel para esperar a sua vinda.O povo judeu se afastou muito de Deus, um exemplo disto é Yali Belinski uma pessoa grasso,arrogante e mal educada. pensei que esse Aliah fosse para se melhorar como pessoa e se descobrir como ser humano. Confundir a dignidade do ser humano com mera utilidade surge de uma confusão conceptual,que por sua vez pode ser atribuída em suas origens. AFINAL de contas um povo que sobreviveu a um lugar chamado AUSCHWITZ deve ter muito a ensinar. Não é Israel que pertence ao povo Judeu, mas o povo Judeu que pertence a terra Israel.

  • Henrique Menezes Lucena

    19/12/2015 at 17:51

    Oh Israel, me deixe pelo menos varrer sua ruas, só isso já me deixará feliz.

  • Amarildo Rath

    29/02/2016 at 00:07

    Faço minhas as palavras do Henrique Meneses, Qualquer trabalho em israel já me deixaria feliz.
    Estou a disposição

  • michael dan horpaczky

    07/03/2016 at 20:49

    gostaria de ir para israel para ficar 14 dias e obter o passaporte definitivo , pois nasci em jerusalem , fui para lá mas agora em fevereiro , mas nao sabia que teria que ficar 14 dias no minimo .
    Como faço para conseguir passagem e hospedagem ?

  • Gilberto

    07/04/2016 at 03:33

    Shalom , minha mãe é uma ALEVI , por sobrenome , mas não tem certificado judaico , consigo fazer Aliah juntamente com esposa e filha ?

Você é humano? *