Vale tudo nas eleições em Israel

24/02/2015 | Eleições; Política

O youtube se consagrou de vez como a principal ferramenta de propaganda dos partidos políticos em Israel, para as eleições de 17 de março. O leitor já pode conferir em dois artigos nossos, e aqui vai o terceiro, com mais legendas feitas pela equipe do Conexão Israel.

(Confira: Vídeos de propagandas políticas parte 1 e o artigo de Yair Mau 10 propagandas bizarras das eleições israelenses)

Ataques aos árabes

O partido Israel Nossa Casa (Israel Beiteynu), de Avigdor Lieberman, após propor o seu plano de troca de territórios e populações, agora ataca os partidos árabes na Knesset. A propaganda promete dar um fim aos frequentes ataques de Balad e Ra’am-Ta’al a Israel. Curiosamente, uma medida proposta pelo partido de Lieberman (e aprovada pela Knesset), visando aumentar a cláusula de barreira, forçou a união dos partidos árabes (Lista Unificada) e provavelmente acarretará num crescimento de sua bancada.

 

Ataques ao Primeiro-Ministro

Obviamente quem está no poder é o principal alvo da maioria. Quase todos os partidos, pelo menos por uma vez, atacaram o Likud de Benjamin Netanyahu. A União Sionista (HaMachane HaTzioni) foi um deles.

 

Ataques a Livni

O Likud de Netanyahu devolveu os ataques, mas desta vez poupou o líder trabalhista Isaac Herzog, mirando em Tzipi Livni. Apostando na sua pouca popularidade entre os eleitores esquerdistas, o Likud lançou mais um vídeo satírico e bem humorado.

A União Sionista lançou nos últimos dias a campanha “Só um otário votam em Netanyahu”. O Likud se apoderou de um vídeo de 2009, quando Herzog criticou publicamente a política econômico-social do Kadima, e usou a voz do aliado para atacar a ex-ministra da Justiça, revertendo o slogan (confira abaixo o slogan da União Sionista e o vídeo de resposta do Likud)

Só um otário vota em Netanyahu
“Ele compra sorvetes por 10 mil shekels e você não tem dinheiro para o seu cottage. Só um otário vota em Netanyahu (Juventude da União Sionista)

 

Ataques a Lapid

Quem decidiu atacar o ex-ministro das Finanças foi Moshe Kahlon, do partido Kulanu. Após uma série de críticas ao Likud, Kahlon percebeu que o crescimento do Yesh Atid nas pesquisas pode ser em detrimento aos votos de seu partido, uma vez que ambos prometem lutar pela classe média. Kahlon pegou pesado com a vida pessoal de Lapid e com sua atuação como ministro.

 

Meretz muda de estratégia

Ao invés de atacar a União Sionista como vinha fazendo, o Meretz decidiu criticar o voto útil dos eleitores. O partido admitiu que indicará os trabalhistas ao governo, mas ressalta que, sem o Meretz no governo, será difícil livrar-se de Netanyahu, e explica aos eleitores que o voto na União Sionista pode ser menos estratégico do que no próprio Meretz.

A segunda propaganda é bem humorada. O Meretz mostra que o voto útil nas duas últimas eleições só fortaleceu o Likud, e que agora, o eleitor de esquerda, deve pensar bem antes de fazê-lo.

 

Yesh Atid e seus feitos

O partido de Yair Lapid optou por deixar de atacar os outros partidos, e se defender das acusações de que não fizeram nada nos últimos dois anos. O caminho escolhido foi através de histórias pessoais comoventes, como as duas abaixo. O Yesh Atid mostra o efeito que fez na sociedade israelense o incentivo aos ultra-ortodoxos servirem o exército.

Além disso, o partido apelou para o que há de mais popular no país: o Holocausto. Lapid mostra como fez bem para os poucos sobreviventes a sua medida lançada. Os subsídios tiram da pobreza boa parte deles, que, em sua totalidade, são aposentados.

 

Gostou?

Antes que perguntem, o partido A Casa Judaica (HaBait HaYehudi), mas ativo na produção de vídeos até fevereiro, curiosamente não lançou nenhuma nova propaganda na última semana.

Se o leitor tiver alguma recomendação de vídeo, mande um e-mail para contato@conexaoisrael.org. Se gostou do post, nos ajude compartilhando.