Yesh Atid

15/12/2012 | Eleições, Política.

Logo Yesh Atid

Em janeiro de 2012, após meses de especulações sobre sua possível migração do jornalismo para a política, Yair Lapid, figura onipresente na sociedade israelense, anunciou suas intenções de concorrer nas  eleições através da formação de um novo partido que, em suas palavras, seria diferente de todos os partidos políticos existentes.

Ao longo do ano de 2012, o cenário para as próximas eleições se consolidava e, paralelamente, Lapid construía seu partido ao definir nome (Yesh Atid, Há um futuro), plataforma e futuros candidatos.

Ao fortalecer a ideia de um partido que romperia com as práticas dos atuais partidos israelenses, Lapid estabeleceu objetivos considerados ousados no tocante ao status quo local da relação entre o Estado e a religião, a especial preocupação com a classe média, ou a não convocação de ex-membros da Knesset para compor sua lista. 

Yair Lapid recebeu importantes ministérios, como a pasta das Finanças, da Educação e da Saúde. Algumas das reformas propostas chegaram a ser encaminhadas, mas suas diferenças com Netanyahu resultaram na sua precoce demissão, e consequentemente na convocação de novas eleições.

O Yesh Atid recebeu 11 cadeiras, compondo a quarta maior bancada da casa.

Figuras de destaque

Yair Lapid, ex-ministro das Finanças, é filho de Yossef “Tommy” Lapid, sobrevivente do Holocausto e líder do antigo partido centrista israelense Shinui. Tinha seu próprio programa no horário nobre do principal canal da televisão israelense e sua coluna no jornal de maior circulação do país até optar pela vida política.

Número dois na lista, Shai Piron, ex-ministro da Educação, é um rabino dedicado à aproximação entre judeus religiosos e seculares. A terceira na lista é Yael German, ex-ministra da Saúde e ex-prefeita de Herzlia. Os dois ex-ministros levavam à prática reformas nas suas pastas, interrompidas pela convocação de eleições.

Como a lista é decidida?

Yair Lapid, junto a uma comissão escolhida por si, monta a lista do partido.

Posições do partido

Religião e Estado

Não propõe rompimento entre religião e Estado, mas uma maior integração dos ultra-ortodoxos na sociedade através da obrigatoriedade do serviço militar e do ensino do currículo básico nas escolas ortodoxas, além da criação de programas de inserção deste setor no mercado de trabalho israelense.

Política econômica

Desregulamentação econômica visando estimular o crescimento. Apoio às pequenas e médias empresas visando à geração de empregos.

Política social

Estimulo à competição efetiva no mercado de imóveis e de construção civil, que possibilite maior acesso à habitação. Estímulo à construção de edifícios destinados exclusivamente a aluguéis de longo prazo, para famílias ou indivíduos que não possuem meios que os permitam comprar apartamentos. Atualização do sistema de saúde em vista do aumento da expectativa de vida da população e do número de idosos. Aumento do número total de leitos hospitalares disponíveis e redistribuição dos serviços para as regiões periféricas do país.

Territórios e processo de paz

Acordo de paz definitivo com os palestinos através do conceito de “dois Estados para dois povos”. Manutenção dos principais blocos de assentamentos na Cisjordânia (Ariel, Gush Eztion, Maalê Adumim) e das condições que garantam a segurança do Estado de Israel. Estabelecimento de um estado palestino desmilitarizado. O Yesh Atid não admite a divisão de Jerusalém.

Educação

Reestruturação do sistema educacional, visando à recolocação de Israel entre os dez países com melhor nível de educação no mundo através do uso da tecnologia nos métodos de ensino. Estabelecer a educação como prioridade nacional, envolvendo todos os setores da sociedade, de modo a prover igualdade de oportunidades à próxima geração através da obrigatoriedade do currículo básico em todas as escolas do país. Dar aos professores e diretores status de heróis nacionais.

Segurança e exército

Participação de Israel nos esforços internacionais (operações militares e sanções econômicas) para a limitação do programa nuclear iraniano. Influenciar os governos sírio e libanês para que deixem de representar postos avançados do regime iraniano e desarmem a Hisbalá. Bolsas universitárias para soldados das unidades de combate. Serviço obrigatório universal. Os jovens que não optarem pelo serviço militar, poderão se ocupar por dois ou três anos como voluntários em escolas, hospitais, jardins de infância ou asilos para idosos e sobreviventes do Holocausto.

Outras posições

Reforma no Sistema de Governo: Mudanças na legislação visando aumento de estabilidade política e governabilidade. Criação de mecanismos que estimulem os eleitores a votarem nos partidos grandes em detrimentos dos menores: direito automático para o líder do maior partido formar o governo (e não quem lidera o maior bloco de partidos), aumento da cláusula de barreira para 6%, voto de não-confiança só dissolveria um governo se aprovado por 70 deputados e número de ministros limitado a dezoito.

Fontes

Site oficial do partido (disponível em hebraico, árabe, russo, inglês e amárico), wikipédia em inglês e em hebraico.

Foto de capa retirada do site: http://nashpia.co.il/stories/549aeb42f949c53a1900051f

Comentários    ( 15 )

15 Responses to “Yesh Atid”

Você é humano? *